Diário de Veneza: Friedkin e divagações sobre críticas

Ver filmes em Festivais é meio complicado. Emenda-se um filme atrás no outro, 4, 5, 6 filmes por dia, 2 semanas. No final você nem lembra mais de que cena era aquele filme, como foi uma atuação específica, ou o final de um outro. Por isso, tou achando ótimo escrever aqui logo depois de ver os filmes, quase sempre no mesmo dia, as vezes poucos minutos depois, dando um tom geralmente do impacto.

Isso é bom e é ruim ao mesmo tempo, óbvio, porque não temos tempo para pensar, refletir sobre as propostas do filme, ainda mais para eu, que me exijo sempre dar uma nota, por mais subjetiva e variável que ela possa ser. Óbvio que venho pensado nisso o festival todo, mas ainda acho mais importante seja para meu exercício crítico, seja para passar as novidades para vocês aí no Brasil que eu escreva logo, tente dar as primeiras impressões dos filmes o mais rápido possível.

Mas agora, no final de “Killer Joe”, de William Friedkin, esse distanciamento me pareceu mais importante ainda. Em primeiro lugar que ele é um filme muito envolvente, quase no estilo “À Prova de Morte”, em que o ato final é em um ritmo aceleradíssimo. Ou seja, é fácil se empolgar com tudo isso, sair dizendo que é obra-prima e tal. Não chega a tanto, mas por enquanto é meu segundo filme favorito na competição (depois de “Shame”) e terceiro em geral, se minha memória não apagou algum título amado.

Essa avaliação futura quase nunca muda nada de muito importante, seja conceitos gerais (gostei ou não gostei, é um bom ou mau filme, etc) seja também pequenos detalhes de atuação, decupagem, importância… “Himizu” é um caso emblemático disso: Foi o que mais dividiu a crítica aqui em Veneza e vamos ver como o Júri responde no sábado, mas por mais que foi um filme muito importante e que mexeu muito comigo por sua urgência, entendo quem não gosta dele, porque narrativamente tem problemas. “Cut” também, aliás. Mas continuo achando que o cinema é maior do que isso. É dever que continue a ser um espaço de reflexão, seja sobre o mundo em que vivemos (hoje, não ano passado, hoje) e sobre o cinema que experimentamos.

Desviei do assunto, porque o que eu queria falar mesmo é que apesar da última cena ser talvez a melhor até agora da competição (não poderíamos ter um prêmio para melhor cena que nem no Alfred?), o plano final me pareceu deslocado, a princípio. Não demorou muito, uns 10 minutos, para eu ter pensado melhor e encontrado uma solução perfeita, que faz esse último plano ser de uma importância absurda. Não é nada demais, é uma interpretação até boba e simples, todo mundo deve perceber mesmo no final, eu que sou um pouco atrasado talvez, mas tem que se descontar as 4 horas de sono diárias, os 48 filmes já vistos, etc…

Fiquei pensando, e se eu tivesse escrito falando mal, reclamando, etc, sendo que nem dei um espaço para pensar melhor e avaliar com mais cuidado?  Mas também não é importante escrever logo, com as ideias frescas, as cenas na cabeça? O que é melhor? Não faço idéia… Mas enfim, espero que quando esse carnaval ter seu fim e eu voltar a ver filmes mais esporadicamente junto com mil outros deveres continue podendo escrever aqui. Gostei do hábito e espero que estejam curtindo também.

Agora deixa eu ir lá, terminar meu cappuccino e ir pra fila do anti-penúltimo filme da competição a ser exibido, “L’ultimo terrestre” de Gian Alfonso Pacinotti, filme de estréia dele, que é cartunista. Tou meio com medo… Apesar de todo meu discurso aí em cima, ainda hoje digo minhas impressões sobre o Friedkin! À bientôt

1 Comment

Filed under Uncategorized

One response to “Diário de Veneza: Friedkin e divagações sobre críticas

  1. Rudá Lemos

    Boas reflexões, Mateus… Crítica de cinema é realmente complicado. Mas continua, claro, como achar melhor.
    Abraços!

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out / Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out / Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out / Change )

Google+ photo

You are commenting using your Google+ account. Log Out / Change )

Connecting to %s