Viagens pela África

Para começar bem esse espaço Fernweh , resolvi montar uma série de textinhos sobre minhas viagens pela África, realizadas por 6 países + 1 conexão em um sétimo país em dois períodos diferentes. Entre dezembro de 2016 e janeiro de 2017, fui para Moçambique, África do Sul e Suazilândia (atual eSsuatini); em junho de 2018 passei um dia em Adis Abeba, na Etiópia; e entre maio e junho de 2019 fui para Togo, Benin e Nigéria.

Isso sem contar o meu primeiro “pouso”, uma conexão no aeroporto de Luanda, Angola. Ao final vou fazer um texto resumindo algumas experiências e depois teremos outros três textos complementares, sobre cinema africano, sobre esporte africano (e a importância dos países em muitas questões olímpicas) e questões LGBTQ nos países que visitei.

Cada parte vai ter um textinho, sobre o trajeto, experiências, dicas, e espero que seja de ajuda para quem esteja planejando uma viagem. Apesar de serem outros tempos, com o covid-19 e incertezas gerais, creio que o quadro geral pouco mudou. Se eu não esclareci algo ou trouxe dúvidas, por favor perguntem, o espaço aqui é para troca e posso fazer mais textos depois destes programados. 

Ruínas na paradisíaca ilha de Santa Carolina, em Moçambique, onde os rumores dizem que Bob Dylan teria se hospedado nos anos 1970 – Foto: Acervo Pessoal (2017)

A África é um continente muito, muito, muito vasto, mas certamente necessita de um espírito de viagem que é bem diferente daquele da Europa, EUA ou até mesmo América Latina. Enquanto algumas áreas já são muito acostumadas com turismo (Egito, por exemplo), há outros países ou regiões que recebem poucos brasileiros a passeio, ou mesmo turistas que não sejam da própria região.

Claro que não recomendo nenhuma viagem agora, mas com o prosseguimento da vacinação e com fortes empecilhos para entrada de brasileiros na Europa, América, Ásia e Oceania, o continente pode ser um destino – em 2022… – para aqueles já vacinados

Vista aérea de Lomé, capital do Togo – Foto: Acervo Pessoal (2019)

É também o continente que talvez tenha o menor número de textos publicados, mas tem  alguns e recomendo a leitura deles se você for fazer uma viagem pelo continente, especialmente por mais que sejam sobre países ou experiências específicas.

Um bem legal que eu li foi “Destinos Invisíveis (uma Nova Aventura Pela África)” de Guilherme Canever. Outro ótimo relato de viagem, ainda que antigo e que inclui poucos destinos africanos é “Por todos os continentes: relatos ao longo de andanças por 82 países” de Roberto Menna Barreto. Se vocês tiverem mais dicas de livros, por favor me contem aqui!

De qualquer maneira, o maior conselho que eu dou em geral é: não dê tanta importância para conselhos que digam o que é certo e o que é errado! O mais importante é seguir o próprio coração e a vontade. Quer dizer, não existe um momento certo para viajar, um local certo para ir, ou uma forma certa de viajar, que sirva para todos. 

Mercado de rua na mítica Soweto, Johnannesburgo, África do Sul – Foto: Acervo Pessoal (2016)

Dito isso, existem formas mais indicadas, existem maneiras de economizar durante a viagem, e talvez há maneiras de se comportar que sejam as corretas ou mais apropriadas para causar menos dor de cabeça e espero cobrir esses temas. 

Entre eles: o que levar, mala, mochilão, mochila, só uma bagagem? Computador, câmera ou aparelhos eletrônicos são recomendados? Vale a pena mesmo escrever diário? Quais moedas e cartões carregar? Melhor fazer reserva antes ou na hora? é preciso ter um guia turístico ou visto? quais idiomas é importante ter uma noção ou isso não importa? etc…

E é importante saber que existem coisas que devem ser pesquisadas antes da viagem e isso serve para todas viagens. O mais fundamental é saber exatamente qual tipo de visto você precisa ou não precisa, as condições da passagem aérea, quais vacinas são necessárias – para vários países a da febre amarela é condição fundamental para brasileiros e provavelmente covid-19 também será em alguns meses. As condições tem alterado muito e em geral, o ideal é consultar o consulado do país e a companhia aérea – mas algumas vezes eles não dão respostas honestas, como vou contar em alguns causos que passei.

Influências brasileiras é visível por todo Benin, como nesta escola próxima ao Caminho do Não-Retorno – Foto: Acervo Pessoal (2019)

Importante lembrar que minhas anotações são apenas memórias do que eu vivi e que acho que pode auxiliar leitores que também vão viajar. A todos países da África eu sempre fui como turista – com certos privilégios como branco, jovem, sem qualquer impedimento de mobilidade, etc. Mas também nunca me hospedei em hotel, sempre viajei sozinho – com alguns companheiros de viagem que encontrei na estrada vez ou outra – e fiz trajetos sem luxo algum. 

Um turista que tenta, sempre que possível, andar o caminho menos percorrido, como diz o poema

Leave a comment

Filed under Fernweh, Viagens

#Kopfkino – 10 filmes de abril de 2021

1- “42 Up” (1998, Reino Unido), Michael Apted

2- “Biruma no tategoto” (“A Harpa da Birmânia” / “The Burmese Harp”, 1956, Japão), Kon Ichikawa


3- “LA Plays Itself” (1972, EUA), Fred Halsted


4- “49 Up” (2005, Reino Unido), Michael Apted


5- “Outtakes from the Life of a Happy Man” (“Fragmentos da Vida de um Homem Feliz”, 2012, EUA), Jonas Mekas


6- “35 up” (1991, Reino Unido), Michael Apted

7- “La cérémonie” (1995,França & Alemanha), Claude Chabrol


8- “Sem Título #7: Rara” (2021, Brasil), Carlos Adriano


9- “Anand” (1971, Índia), Hrishikesh Mukherjee


10- “Theory of Achievement” (1991, EUA), Hal Hartley

Leave a comment

Filed under Cinema, kopfkino, Listas

#Fernweh – o início

Oi pessoal, sejam bem-vindo ao Fernweh, o espaço em que eu vou falar um pouquinho das minhas viagens pelo mundo, seja para simplesmente compartilhar o que aconteceu comigo ou dar dicas. Fernweh é uma palavra alemã que não tem tradução exata, mas significa o anseio (weh) pela distância (Fern), o oposto ao Heimweh, ou anseio pela casa , geralmente traduzido como nostalgia. A palavra teria sido criada em meados do século XIX, e tem como sinônimo Wanderlust, aquela pessoa que tem desejo (Lust) em se aventurar (wandern) por aí. 

Amigos alemães e que conhecem a língua podem me corrigir, mas eu vejo no Wanderlust algo mais relacionado à ação, enquanto o Fernweh tem mais a ver com o desejo e os sentimentos internos. Enquanto o Wanderlust talvez fizesse mais sentido em um diário de viagem, esse ato de rememorar me parece mais apropriado ao Fernweh – e é o nome do primeiro episódio de uma das minhas séries favoritas, a alemã “Heimat” (1984)! Quem sabe quando eu voltar a pegar a estrada passe a chamar aqui de Wanderlust!

Na segunda-feira (3) vou publicar o primeiro post de uma série de 14 posts sobre minhas viagens por alguns países da África. Mas para começar eu queria saber o que vocês mais querem saber sobre viagens, quais são as principais dúvidas e questões que vocês tenham! Obrigado e boa leitura!! No meu instagram colocarei versões resumidas dos textos e fotos legais dos locais. #Fernweh #ontheroad #viagens

Leave a comment

Filed under Uncategorized

Oscar 2021: Apostas, torcidas e minicríticas de TODOS OS FILMES

EU VI TODOS OS FILMES DO OSCAR PARA VOCÊ SÓ PRECISAR VER OS BONS, E SÃO POUCOS, VENHA COMIGO!

Esse post será em duas partes. Primeiro eu falo sobre o que deve acontecer em cada categoria e depois faço um parágrafo ou mais sobre cada filme em duas subpartes: primeiro sobre longas e depois os 12 curtas, sempre na ordem de preferência.

No fim, aposto em The Trial of Chicago 7 levando três oscars incluindo filme, mesmo número de “Ma Rainey’s Black Bottom”. Mas minha torcida vai toda para  “Nomadland” e “The Father”, filmes do coração, junto com “Quo vadis, Aida”.

Sigo achando que “Nomadland” é muito bom para Oscar, mas estão me deixando sonhar… vamos ver!

Sem mais delongas segue aí:

FILME

Aposto em: 1- The Trial of Chicago 7; 2- Mank; 3- Nomadland

Minha Torcida: 1- Nomadland; 2- The Father; 3- Promising Young Woman

Tenho falado a temporada toda de premiação que “Nomadland” é muito bom para vencer – seria meu favorito dentre os vencedores desde “Million Dollar Baby”. Não vou subestimar a capacidade dos eleitores do Oscar em escolher um filme grandioso e ruim como Chicago 7 ou Mank, mas tá todo mundo falando que Nomadland deve ganhar e eu espero que estejam certos. Seria o terceiro (ou quarto) Oscar para Frances McDormand e o primeiro como produtora. The Father seria um típico filme sério vencedor, e ficaria feliz; Promising Young Woman seria aquela surpresa divertida.

DIREÇÃO

Aposto em: 1- Chloé Zhao, “Nomadland”; 2- David Fincher, “Mank”; 3- Emerald Fennall, “Promising Young Woman”

Minha Torcida: 1- Chloé Zhao, “Nomadland”; 2- Emerald Fennall, “Promising Young Woman”; 3- Lee Isaac Chung, “Minari”

Acho que Chloé Zhao é mais segura aqui, já que seria um filme mais pessoal. Acho que só Fincher tem chances aqui ou não acho tão fora de tom se Fennall levar direção e Nomadland filme.

ATOR

Aposto em: 1- Chadwick Boseman, “Ma Rainey’s Black Bottom”; 2- Anthony Hopkins, “The Father”; 3- Riz Ahmed, “Sound of Metal”

Minha Torcida: 1- Anthony Hopkins, “The Father”; 2- Riz Ahmed, “Sound of Metal”; 3- Gary Oldman, “Mank”

Sem Tahar Rahim por “The Mauritanian”, Hopkins deveria ser o grande favorito pelo que possivelmente é a melhor interpretação de sua carreira. Mas os eleitores podem escolher dar o prêmio póstumo para Boseman, especialmente se não votarem em Viola Davis pelo mesmo filme. Acho difícil os dois atores de Black Bottom levar aqui.

ATRIZ

Aposto em: 1- Andra Day, “The United States vs. Billie Holiday”; 2- Viola Davis, “Ma Rainey’s Black Bottom”; 3- Frances McDormand, “Nomadland”

Minha Torcida: 1- Frances McDormand, “Nomadland”; 2- Viola Davis, “Ma Rainey’s Black Bottom”; 3- Carey Mulligan, “Promising Young Woman”.

Única categoria que não vou ficar meio chateado se qualquer uma levar. Vanessa Kirby tá ótima também, e Day carrega um filme ruim nas costas. McDormand é minha favorita do coração, mas ela ganhou por um filme horrível uns anos atrás interpretando um mesmo tipo de personagem, então carma é isso. Uma vitória de Mulligan seria bem legal.

ATOR COADJUVANTE

Aposto em: 1- Daniel Kaluuya, “Judas and the Black Messiah”; 2- Sacha Baron Cohen, “The Trial of Chicago 7”; 3- Paul Raci, “Sound of Metal”

Minha Torcida: 1- Daniel Kaluuya, “Judas and the Black Messiah”; 2- Paul Raci, “Sound of Metal”; (bem atrás) 3- Leslie Odom Jr., “One Night in Miami”

Houve uma época em que eu acreditava que Baron Cohen era o grande favorito, por estar no filme que eu considero o mais “oscarizável” e seria uma maneira de premiar ele também pelo ano maravilhoso, que incluiu “Borat”.

Mas Kaluuya ganhou terreno, o filme virou o assunto do momento nos EUA e parece que a vitória dele é certa. Meio incompreensível que Lakeith Stanfield também esteja indicado. Como que os dois protagonistas incontestáveis são coadjuvantes?

ATRIZ COADJUVANTE

Aposto em: 1- Youn Yuh-jung, “Minari”; 2- Maria Bakalova, “Borat”; 3- Amanda Seyfried, “Mank”

Minha Torcida: (write-in para Jodie Foster, “The Mauritanian”, pode, produção?) 1- Maria Bakalova, “Borat”; 2- Olivia Colman, “The Fater”; 3- Youn Yuh-jung, “Minari”

Sou fã mesmo de Borat e acho que Bakalova tem um timing perfeito para o filme. A vitória dela parece ser daquelas histórias tradicionais de categoria, uma jovem e bonita atriz, mas a veterana atriz sul-coreana também tem o “perfil” aqui. Colman tem um estilo específico de interpretaçao que funciona muito bem e ainda não acredito que tiraram a maravilhosa Jodie Foster de “Mauritanian” para colocar essa coisa da Glenn.

ROTEIRO ORIGINAL

Aposto em: 1- Aaron Sorkin, “The Trial of Chicago Seven”; 2- Emerald Fennell, “Promising Young Woman”; 3- Will Berson, Shaka King, “Judas and the Black Messiah”

Minha Torcida: 1- “Promising Young Woman”; 2- Abraham Marder, Darius Marder “Sound of Metal”; 3- Minari

É a categoria perfeita para “Promising Young Woman” e de certa maneira acho que leva, mas não duvido nada darem um prêmio para Sorkin aqui, seja se curtirem muito o filme ou se não curtirem a ponto de darem outros prêmios. E que falta faz “Palm Springs” aqui hein

ROTEIRO ADAPTADO

Aposto em: 1- Christopher Hampton, Florian Zeller, “The Father”; 2- Chloé Zhao, “Nomadland”; 3- Sacha Baron Cohen et al, “Borat Subsequent Moviefilm”

Minha Torcida: 1- “Nomadland”; 2- “Borat”; 3- “The Father”

Acho que tá entre esses três filmes mesmo, e feliz de Ramin Bahrani ter uma indicação em seu nome por “The White Tiger”. Nomadland seria o vencedor ideal, mas Borat e The Father podem levar se curtirem muito o filme mas não encontrar apoio em outras categorias.

FILME DE ANIMAÇÃO

Aposto em: 1- “Soul”, de Pete Docter; 2- “Wolfwalkers” Tomm Moore, Ross Stewart; 3- “A Shaun the Sheep Movie: Farmageddon”, de Will Becher e Richard Phelan

Minha Torcida: 1- “Wolfwalkers”; 2- “A Shaun the Sheep Movie: Farmageddon”; 3- “Soul”

Um dos Oscars mais certos da temporada, e muita gente só deve estar vendo “Soul”. Filme muito inspirado nos trabalhos de Don Hertzfeldt, não é ruim, e não merece mas é ok. Torço muito para uma surpresa aqui. 

FILME ESTRANGEIRO

Aposto em: 1- Another Round (Dinamarca), de Thomas Vinterberg; 2- Quo Vadis, Aida (Bósnia) de Jasmila Zbanic; 3- Better Days (Hong Kong), de Derek Tsang

Minha Torcida: 1- Quo Vadis, Aida? (Bosnia); (bem atrás) 2- The Man Who Sold His Skin (Tunísia), de Kaouther Ben Hania; 3- “Collective” (Romênia) de Alexander Nanau

Nossa, nem era para estarmos discutindo nada, Quo Vadis, Aida? é o melhor filme disparado do Oscar, junto a Nomadland. Triste que não foi indicado em outras categorias, mas Vinterberg foi e isso mostra o quanto o pessoal curtiu. Nem acredito que vou torcer para o moralismo americano condenar uma história de amor aos valores etílicos e dar um prêmio para o “filme de genocídio”, mas aqui pode!

E não duvido nada uma surpresa aparecer, e o pior filme de todo o Oscar, “Better Days” levar essa bagaça. Ainda não superei que “La Llorona” da Guatemala ficou de fora.

DOCUMENTÁRIO

Aposto em: 1- “Crip Camp”; 2- “My Octopus Teacher”; 3- “Time”

Minha Torcida: 1- “The Mole Agent”; 2- “Crip Cramp”; 3- “Collective”

Parece que “My Octopus Teacher” é o franco favorito, mas um filme tão insosso pode levar o prêmio? Faz sentido… mas ainda acho que “Crip Cramp”, um filme tão poderoso quanto é bonito e inspirador pode levar. O chileno “The Mole Agent”, melhor disparado, pode surpreender, assim como “Collective”, também indicado em filme estrangeiro.

CURTA FICÇÃO

Aposto em: 1- “Two Distant Strangers”; 2- “White Eye”; 3- “The Letter Room”

Minha Torcida: 1- “The Present”; 2- “The Letter Room”; 3- “White Eye”

Israel e Palestina estão indicados e seria curioso se fosse um ano normal, com os dois diretores estando presentes no almoço, na cerimônia e em todo trabalho de mídia. Desculpa por politizar o politizável, mas enquanto “White Eye” é um filme que tenta criar um espetáculo em si-mesmo (filme de tomada única) enquanto explora e observa de longe os problemas que imigrantes ilegais passam em Israel, “The Present” é um filme cru e real e que você sente ao estar na pele do protagonista.

Farah Nabulsi, a diretora, nasceu em Londres de pais palestinos e trabalhou em grandes bancos na City. Após visitar a Palestina pela primeira vez aos 35 anos, decidiu mudar de carreira e investir em produção de conteúdo jornalístico e audiovisual com intuito de denunciar as injustiças vivias pelos palestinos em seu dia-a-dia. É o típico filme que o Oscar adoraria, mas palestino?

Dentre os norte-americanos, “The Letter Room” é o mais interessante, mas “Two Distant Strangers” parece ter o momentum e falar para os EUA atual.

DOCUMENTÁRIO CURTA

Aposto em: 1- “Colette”; 2- “A Love Song for Latasha”; 3- “Hunger Ward”

Minha Torcida: 1- “ Love Song for Natasha”; 2- “Hunger Ward”; 3- “Colette”

Confesso que tou um pouco perdido aqui, mas “Colette” é o típico filme a vencer Oscar, mas talvez os eleitores podem reconhecer “Hunger Ward” aqui para não votar em “The Present”. Talvez o governo chinÊs e de Hong Kong com o boicote a “Do not split” podem ter dado uma forcinha para o filme ganhar.

Mas “A Love Song for Latasha” é o único grande filme aqui.

MELHOR CURTA DE ANIMAÇÃO

Aposto em: 1- “If Anything Happens I Love You”; 2- “Opera”; 3- “Burrow”

Minha Torcida: 1- “Yes-People”; 2- “Genius Loci”; 3- “Burrow”

Me parece que “If Anything Happens I Love You” é o franco favorito, mas acho tão fraco. Torcendo para que o islandes “Yes-People” leve ou até mesmo “Burrow”, da Pixar.

MELHOR TRILHA

Aposto em: 1- “Soul”; 2- “Mank”; 3- “Da 5 Bloods”

Minha Torcida: olha, Britto, sinceramente… 1- “News of the World”; 2- “Da 5 Bloods”; 3- “Mank”

Achei todas trilhas bem qualquer coisa. Sinceramente, não me lembro de nenhuma nota musical delas, mas eu lembro que achei a de Mank um tanto invasiva, mas interessante. Na dúvida eu vou do classissismo de James Newton Howard, que pode levar finalmente seu primeiro Oscar em nove indicações.

MELHOR CANÇÃO

Aposto em: 1- “Speak Now”, de “One Night in Miami”, 2- “Fight For You”, de “Judas and the Black Messiah; 3- “Io sì (seen)” de “The Life Ahead”

Minha Torcida: 1- “The Life Ahead”; 2 “Husavilk” de “Eurovision Song Contest: The Story of Fire Saga”

Sinceramente, não curto nenhuma das músicas, mas seria legal ver Laura Pausini vencer o Oscar ou “Eurovision” ser um filme vencedor do Oscar, especialmente com uma música sobre Islândia e composta por um islandês. Parece que teremos performance ao vivo de Husavik também.

MELHOR SOM

Aposto em: 1- “Sound of Metal”; 2- “Soul”; 3- “Greyhound”

Minha Torcida: 1- “Sound of Metal”; 2- “News of the World”; 3- “Soul”

O único dos indicados que usa o som de forma criativa dentro de sua narrativa, “Sound of Metal” deve ser o franco favorito, mas “Soul” e “Greyhound” tem bons trabalhos de som também, apesar de eu curtir “News of the World”.

DIREÇÃO DE ARTE

Aposto em: 1- “Mank”; 2- “Ma Rainey’s Black Bottom”; 3- “The Father”

Minha Torcida: 1- “The Father”; 2- “News of the World”; 3- “Mank”

Assim como no caso acima, “The Fahter” é o filme que melhor utiliza o cenário e a direção de arte para mostrar as mudanças na mente de seu protagonista e sua adequação (ou falta de) ao espaço em volta. “Mank”, “News of the World”, “Ma Rainey’s Black Bottom” e “Tenet” estão todos na categoria ostentação que faz sucesso aqui. Como amam “Mank”, deve dar “Mank”.

FOTOGRAFIA

Aposto em: 1- Erik Messerschmidt, “Mank”; 2- Joshua James Richards, “Nomadland”; 3- Phedon Papamichael, “The Trial of Chicago 7”

Minha Torcida: 1- “Nomadland”; 2- Dariusz Wolski, “News of the World”; 3- Sean Bobbitt, “Judas and the Black Messiah”

Nunca subestime o poder da fotografia preto e branca desnecessária em conseguir um Oscar, ainda mais essa de “Mank” que é francamente bem fraquinha. E adivinhe, ganhou o prêmio do sindicato americano de forografia.

A de “Nomadland” é disparada, a melhor e mais interessante, trabalhando muito bem as paisagens e os interiores insólitos. Josh Richards assinou a fotografia de “God’s own country”, outro filme incrível.

 Bobbitt, colaborador de Steve McQueen em seus longas tem a primeira indicação ao Oscar – seu trabalho em “Shame” é maravilhoso.

FIGURINO

Aposto em: 1- “Ma Rainey’s Black Bottom”; 2- “Mulan”; 3- “Emma”

Minha Torcida: 1- “Emma”; 2- “Ma Rainey’s Black Bottom”; 3- “Pinóquio”

Comento abaixo no parágrafo sobre “Emma” como eu achei o filme chato, mas curti como apresenta o vestuário – e a nudez – como uma certa forma de hierarquização e atividade social. Posso ter bolado tudo isso só porque o material de direção era tão fraco, mas os figurinos são lindos e merecem um Oscar. Mas “Black Bottom” seria um vencedor merecido também.

EFEITOS VISUAIS

Aposto em 1- “Tenet”; 2- “Love and Monsters”; 3- “The one and only ivan”

Minha Torcida: 1- “Love and Monsters”; 2- “The One and Only Ivan”; 3- “Tenet”

A explosão no aeroporto deve ter garantido o Oscar a Tenet, mas acho o uso de efeitos em “Love and Monsters” muito mais divertido e original.

EDIÇÃO

Aposto em 1- “The Trial of Chicago 7”; 2- “Promising YOung WOman”; 3- “Sound of Metal”

Minha Torcida: 1- “The Father”; 2- “Nomadland”; 3- “Promising Young Woman”

Se amarem “Nomadland” e Chloé Zhao podem dar esse Oscar também, mas acho mais provável darem direção. Eu confesso que não curti tanto a edição de “The Father” na primeira vez, achei um pouco esquemática, chamativa, mas hoje eu gosto como mostra os “pulos” na narrativa. “Promising Young Woman” é inventivo, refrescante e pode agradar aos votantes do Oscar. Dito isso, acho que a edição chatérrima e baseada na palavra de Sorkin vai ganhar. 

MAQUIAGEM E CABELOS

Aposto em: 1- “Ma Rainey’s Black Bottom”; 2- “Pinóquio”; 3- “Mank”

Minha Torcida: 1- “Pinóquio”; 2- “Emma”; 3- “Ma Rainey’s Black Bottom”

Acho que nenhum indicado se supera, mas a de “Pinóquio” é um trabalho de maquiagem bem bonito e integrado a história. A maquiagem de “Black Bottom” e “Mank” são bem chamativas, e acho aquele suor todo em “Black Bottom” parte integrante da história – merecia indicação a fotografia no lugar de “Mank”, inclusive. 

OS LONGAS

Nomadland (d. Chloé Zhao, 2020, EUA)

É o filme do ano e não é à toa. É um filme que ao mesmo tempo que aborda a liberdade ‘imposta’ de uma vida sem emprego fixo e casa imóvel. Um filme perfeito para os tempos atuais, deve ser um escândalo ver no cinema – especialmente drive-in. 

Baseado em uma história real que se transformou num livro-reportagem sobre americanos mais velhos que passam a viver em vans, tem vários destes personagens interpretando a si mesmo no filme, em que convivem muito bem com a protagonista, papel feito sob medida para Frances McDormand, que a defende com forte vigor.

A edição é maravilhosa, a fotografia que alterna vistas incríveis com uma movimentação de câmera perfeita, e uma trilha discreta mas bonita. Me lembra um “Na Natureza Selvagem” mais maduro. Um filme para ficar no coração e tocar a alma.

Quo Vadis, Aida (d. Jasmila Zbanic, 2020 BOS)

Assim como Nomadland, é uma ficcionalização a partir de uma história real e trágica. Todos sabemos o final, então nem é uma questão de o que vai acontecer, mas como

O filme apesar de ser bósnio é feito explicitamente para a comunidade internacional. Não a toa os protagonistas são uma família intelectual, uma intérprete que trabalha na missão da ONU em meio à guerra civil da Bósnia e seu marido, ex-diretor de colégio. Uma personagem “do mundo” que o público-alvo do filme pode se conectar em meio a uma tragédia que afeta milhares de pessoas.

Não à toa também, os soldados holandeses responsáveis pela base da ONU ocupam um papel de destaque. O trauma dos dutchbats, que ainda é vivo nos Países Baixos, país que mergulha a fundo nos dilemas éticos nos conflitos (étnicos) alheios são o trauma do ocidente – similar ao que Michelle Aaron aponta em sua análise de “Hotel Ruanda”, outra mancha no ocidente -. Não somos nem os bósnios-sérvios que estão ali atrás de vingança, nem os cidadãos bósnios vítimas na tragédia. Somos os holandeses, que veem de mãos atadas e acabam sem querer querendo colaborando com o genocídio, antes de voltar seguros para seus lares. Tanto os coroneis, quanto os jovens soldados de 18 anos – e todos perfeitamente capturados em sua babyface e bermudas como participantes de um grande e trágico summercamp – são mais do que as testemunhas oculares da tragédia, como a consciência moral que ficará responsável em relatar ao mundo na volta ao lar.

Eu digo tudo isso – parece que não curto o filme! – mas é para dizer como a diretora operou bem seus personagens para contar de maneira mais crível a tragédia do dia-a-dia na Srebinica sitiada, pronta para a queda, ao fracasso enquanto se espera que o dia seguinte será a salvação, que não podemos piorar mais do que estamos. Guardada as devidas proporções, há diferença para o Brasil atual? Emn um país que vive um genocídio sanitário nas mãos de um governo incompetente e negligente, com três mil mortes diárias por Covid… é difícil não sair totalmente quebrado ao fim do filme.

Filme que merece muita atenção. Jasna Duricic, atriz sérvia,  é minha atuação favorita das que eu vi este ano e se Oscar fosse um prêmio “sério”, não me surpreenderia com Johan Heldenbergh como ator coadjvuante, pela interpretação do Coronel Karremans. 

The Father (d. Florian Zeller, 2020, FRA/RUN)

Filme fortíssimo sobre uma família que ameça se desintegrar quando o patriarca (Anthony Hopkins, sublime) começa a apresentar sinais que sua saúde mental está piorando. Claro que a pancada é mais suave quando a família consegue navegar por ondas tão violentas num navio um tanto suntuoso e temos espaço para nos preocupar apenas com o que importa. 

Porém, essa ressalva não compromete o sucesso do filme. A montagem que trabalha bastante com repetições me deixou um pouco incomodado achando que poderia ser um thriller barato ao fim, mas talvez numa revisão funcione melhor ainda. 

El Agente Topo / The Mole Agent (d. Maite Alberdi, Marcela Santibáñez, 2020, CHI/EUA/ALE/HOL/ESP)

Se Borat (ver abaixo) a gente já assiste sabendo ser documentário apesar de parecer ficção e do absurdo disso tudo, a situação é diferente neste maravilhoso filme chileno. A naturalidade dos personagens em meio às câmeras e os absurdos da situação em meio a uma trama de espionagem divertida nos fazem crer se tratar de uma ficção, mas nada.

É um retrato bonito sobre a velhice com atuações maravilhosas do elenco principal que embarca no filme. As diretoras conseguiram extrair algo de realmente sensível do filme, que pode ser lido com uma crítica ao sistema e à sociedade em como cidadãos de terceira idade são tratados, sem esquecer de prestar uma homenagem aos personagens principais de sua história.

Borat Subsequent Moviefilm: Delivery of Prodigious Bribe to American Regime for Make Benefit Once Glorious Nation of Kazakhstan (d. Jason Woliner, 2020, EUA/RUN)

Eu assisti o primeiro filme no cinema e odiei. De lá até aqui, gostei de Bruno e amei O Ditador. Não consegui rever o primeiro mas suspeito que o problema fosse comigo e não com o filme.

O segundo é um retrato perfeito dos Estados Unidos no início de 2020, com a ‘sorte’ de ter pego o início da pandemia e ter conseguido incluir tão perfeitamente na trama. Jason Woliner é o diretor do filme, em seu filme de estreia, mas é difícil negar a força criativa de Baron Cohen, desta vez sem a parceria de Larry Charles.

O modo de filmar, similar ao primeiro, de convencer pessoas reais a agirem de forma autêntica para a câmera funciona tão bem que francamente parece ser encenado. Maria Bakalova, atriz de pouco currículo até então, embarca com fluência nata no estilo do filme e tem a grande cena e grande golpe com Rudolph Giuliani, antigo prefeito de NY e advogado de Donald Trump, em fim de carreira melancólico – achei que seria indicado ao Framboesa de Ouro inclusive.

Minha maior paixão, porém, foi a visão do filme do verdadeiro presidente cazaque  Nursultan Nazarbayev – que deu o nome para a capital do país – interpretado por  Dani Popescu.

Promising Young Woman (d. Emerald Fennell, 2020, EUA)

Um filme refrescante, inspirador com uma interpretação fenomenal de Carey Mulligan que carrega o filme, não por deficiência em outras partes, mas porque ela é a alma e carne de toda a trama. O filme de vingança aqui é renovado e as referências inundam o filme, mas ainda assim o filme apresenta-se como completamente original. Por enquanto é minha utilização favorita de uma música de Paris Hilton no cinema. 

The Man Who Sold the Skin (d. Kaouther Ben Hania [ar-rajul allaḏī bāʿa ẓahrihu], 2020, TUN)

Um filme um tanto simples que sobrevive a partir da ideia principal do filme – genial, aliás – mas que é bem honesto nas questões apresentadas e na forma que as coteja. 

Gostei muito do protagonista Yahya Mahayni. Acho que as questões éticas e morais do filme são um pouco simplificadas durante o filme, mas a força ainda persiste. Baseado na obra “Tim” do artista belga Wim Delvoye e enquanto o verdadeiro Tim parece ser mais interessante que Sam, a questão política do filme é bem explorada, apesar de por vezes parecer gratuito. 

Sound of Metal (d. Darius Marder, 2019, EUA)

Um filme que se propõe a ser realizado com base no ponto de audição e não no ponto-de-vista é um experimento que pode dar muito errado, mas Sound of Metal consegue não ficar preso em sua base teórica e emociona com uma história de auto-conhecimento.

Ruben e Lou não são os protagonistas mais carismáticos e isso não só traz uma dose maior de veracidade ao filme, como nos conecta mais ainda com suas tentativas (cheias de erros) em melhorar e tentar dar um sentido para suas vidas. 

A parte no centro para surdos é conduzida com notável habilidade e dá um certo respiro necessário ao filme, que “volta com um estouro” na parte final muito incrível. 

Judas and the Black Messiah (d. Shaka King, 2021, EUA)

Apesar de ser um tanto longo, a relação dos dois protagonistas (que foram indicados ao Oscar de ator coadjuvante haha!) carrega bem o filme. Daniel Kaluuya, como o líder Fred Hampton é o destaque definitivo do filme, que não esconde sua militância – ao contrário, faz dela seu trunfo e força. Quase um embaixador americano do projeto Small Axe, de Steve McQueen. 

Wolfwalkers (d. Tomm Moore, Ross Stweart, 2020, IRL/RUN/FRA)

Um belíssimo conto irlandês transformado num filme sensível e cheio de nuances que talvez fiquem mais interessantes ainda numa revisão. Eu achei um tantinho longo e sem ritmo as vezes, mas ao final a experiência vale muito a pena.

Crip Camp (d. Nicole Newnham, James Lebrecht, 2020, EUA)

Um documentário direto mas muito interessante sobre como um acampamento de verão para pessoas com desabilidades trouxe não só um crescimento pessoal e sentido de união para as pessoas presentes, mas também uma consciência política que teria grande impacto na vida norte-americana.

Contado através de entrevistas e impressionantes imagens de arquivo, é um filme inspirador mas que não usa seus personagens de escada para uma tese pré-fabricada. Ao contrário, é uma costura muito talentosa e interessante equilibrando bem os vários personagens e as histórias divertidas e importantes.

Pieces of a Woman (d. Mundruczó Kornél, 2020, CAN/EUA)

Quanto menos souber do filme mais interessante será a experiência, principalmente por conta da primeira parte. Shia LeBeouf comprova aqui ser um grande ator e Ellen Burstyn tem uma participação muito boa, mas é Vanessa Kirby quem tem o papel de destaque e sua atuação é um verdadeiro tour de force. Porém, me impressionou mais a atuação contida, discreta e poderosa de Molly Parker como a parteira. Seu olhar no espelho logo após o parto é uma das cenas mais interessantes do ano.

The White Tiger (d. Ramin Bahrani, 2021, EUA/IND)

Um filme divertido, cínico e inteligente, mas que se alonga por muitos momentos. Curto muito um certo ar anti-punição-pelos-maus-atos (que mancha um pouco o divertidíssimo I Care a Lot), e o filme acerta bem em apontar as questões sociais das relações dos personagens.

Aliás, todos os personagens principais são bem interessantes e multifacetados, o que promove a integração rápida do público com o filme que não só se vê na tela, mas enxerga também uma realidade muito próxima a sua, mesmo que o cenário seja diferente – mas curiosamente tudo se encaixa muito bem no Brasil.

Bahrani é um dos diretores mais interessantes do século, com Man Push Cart e 99 Homes e aqui faz sua entrada no mainstream.

A Shaun the Sheep Movie: Farmageddon (d. Richard Phelan, Will Becher, 2019, RUN)

Um filme meio alucinante, mas muito fofinho, que envolve ovelhas inteligentes, uns britânicos meio broncos movidos a fish and chips e alienígenas. Faz tempo que assisti o primeiro filme, então posso ter perdido alguma referência, mas o filme diverte bem e consegue prender a atenção mesmo sem qualquer diálogo, de forma bem natural.   

Collective (d. Alexander Nanau [Colectiv], 2019, ROM)

Conta muito bem a história de transformação política pela qual a Romênia passa quando um acidente numa casa de shows (algo similar ao que rolou na Boate Kiss no RS) expôe as fraquezas no sistema de saúde local. 

O filme toma partido declarado do Ministro da Saúde no governo tecnocrata que se segue, o colocando como um profissional competente, dedicado e humanista que tenta navegar no emaranhado de corrupção política da Romênia. 

Ele também se bota ao lado dos jornalistas defensores da verdade. Assim, seria curioso saber a história por trás do filme daqui a alguns anos…

News of the World (d. Paul Greengrass, 2020, EUA)

Tom Hanks é daqueles atores coringas que consegue trazer classe e sobriedade a basicamente qualquer filme. Ainda que a atriz mirim alemã Helena Zengel seja o destaque e principal chamariz, ele é o centro do filme e carrega bem o longa, uma jornada no coração dos EUA.

Ele trabalha como leitor de notícias e jornais “do mundo” nas comunidades que passa e o filme dialoga de forma curiosa com Nomadland, 150 anos atrás. O cenário, que auxiliou uma grande parte do cinema norte-americano é velho conhecido, mas 

Minari (d. Lee Isaac Chung, 2020, EUA)

Filme bem fofinho, sobre uma família de origem sul-coreana instalada no coração dos EUA, suas lutas por adaptação e ao mesmo tempo uma defesa de seu status mais do que postulante ao sonho norte-americano mas como integrante da fundação das bases comunitárias que serve à América.

Como qualquer filme-tese, seus personagens são bem delimitados e os atores são muito bons em trabalhar a partir destas… limitações. Youn Yuh-jung, indicada ao Oscar de atriz coadjuvante, tem o melhor papel e faz uma festa com ele (lembram de Alan Alda em Pequena Miss Sunshine?).

Love and Monsters (d. Michael Matthews, 2020, EUA)

Sim, mais um filme de fim de mundo, apocalípse, monstros, zumbis, aquelas coisas todas, que a gente já viu bastante, mas com um tom refrescante, um protagonista jovem e espirituoso (Dylan O’Brien) e um roteiro inteligente e energético que trabalha bem as convenções de gênero.

Soul (d. Pete Docter, 2020, EUA)

Um filme que prometia muito, mas entrega bem pouco. Todas as discussões filosóficas sobre morte são bastante chupadas dos trabalhos recentes de Don Hertzfeldt, e entregues num formato mais palatável e mastigado, e sem a invenção criativa e de cores do diretor americano.

É um filme interessante, de introdução, e curto muito como ele recria o metrô novaiorquino, mas penso que o corre-corre do final estraga um bocado a experiência.

Eurovision Song Contest: The Story of Fire Saga (d. David Dobkin, 2020, EUA)

Um eurotrash divertidíssimo. Eu como não entendo bulhufas de Eurovision, só como um local de onde saem um bando de música ruim, me diverti com uns estreótipos de vários países do velho continente e do espetáculo em si.

Apesar de pintarem uma Islândia meio mitológica e inocente com Will Ferreel, Rachel McAdams e Pierce Brosman como islandeses (!), o país funciona muito bem como uma divertida homenagem – parece até que os islandeses curtiram se ver e os fãs de Eurovision também aprovaram. 

Time (d. Garrett Bradley, 2020, EUA)

Uma história bonita e acho legal que o filme não busca em nenhum momento a salvação do casal protagonista ou apresentá-los como inocentes em alguma trama maldosa. A tese do filme justamente é a de que não justifica um crime passado ter repercussão por décadas na vida das pessoas à margem do sistema, algo que afeta endemicamente a comunidade negra.

Gosto do uso de imagens de arquivo, mas achei as discussões filosóficas a respeito do tempo bem perdidas na história toda.

Another Round  (Thomas Vintergerg [Druk], 2020, DIN)

Divertido, mas acho que busca muito ser um “Introdução à Filosofia” com umas referências pseudo profundas, mas pouco instigantes. Confesso que não entrei nem um pouco no filme, achei os personagens todos muito chatos e as questões discutidas um pouco bobas.

Senti falta de um aprofundamento maior entre as duas gerações do filme, o que seria óbvio pelo fato deles serem professores. Digo isso porque é clara a intenção do filme de apresentar estes quatro homens de meia-idade como de encontro a sua juventude perdida. 

Onward (d. Dan Scanlon, 2020, EUA)

Animação divertida, mas esquecível. Os personagens dos irmãos são bem interessantes, mas quando o pai volta à vida, acho que o filme se perde um pouco, pois deixa de se interessar pelos personagens e passa a se focar nas ações que são meio chatas. O luto que os irmãos sentiam por exemplo é bem mais instigante do que as tentativas para resgatar o corpo completo que vira o tema principal do filme.

Ma Rainey’s Black Bottom (d. George C. Wolfe, 2020, EUA)

As várias partes deste filme funcionam bem, mas não encaixam de algum modo. O filme é um tour de force maravilhoso de Viola Davis e Chadwick Boseman também está bem no filme. A direção de arte, figurino e maquiagem são estonteantes e a fotografia em tons quentes nos deixa com vontade de tomar coca-cola o filme todo.

Mas apesar de ser um retrato da gravação de um disco seminal para a indústria musical norte-americana, o filme é muito preguiçoso e se contenta em estar “ali”, registrando este momento dito importante, de maneira menos invasiva – e criativa – possível.

The Midnight Sky (d. George Clooney, 2020, EUA) 

Um filme bonito, espirituoso e de certa maneira filosófico, mas que termina por ser muito vazio, especialmente com a descoberta ao fim.

Da 5 Bloods (d. Spike Lee, 2020, EUA)

Um filme a qual estava muito interessado, mas talvez pelas expectativas eu sai bem frustrado. A história de um grupo de combatentes negros norte-americanos que volta ao Vietnã 45 anos depois para recuperar um tesouro escondido e  honrar um amigo morto lá vira um filme de ação qualquer destes que se vê na televisão.

As promissoras discussões sobre a importância dos soldados negros na Guerra do Vietnã e a relação contemporânea entre norte-americanos e vietnamitas (ainda mais com o novo fluxo turístico que atinge a região) são deixadas de lado sem cerimônias por Lee, num filme longo e pouco engajante.

The Life Ahead (d. Edoardo Ponti [La Vita davanti a sé], 2020, ITA)

Veículo para Sophia Loren, o filme funciona bem como tal. Ela interpreta Madame Rosa, uma sobrevivente do holocausto, que mora em Bari e cuida de um jovem senegalês. Na relação entre os dois, os personagens crescem, num filme bem batido, mas ainda bem bonito. O filme de 1977 é mais interessante. Loren não traz muita coisa, além de sua perssona e o filme pode dar um Oscar a diva italiana Laura Pausini.

Greyhound (d. Aaron Schneider, 2020, EUA)

Aqui novamente temos Tom Hanks dando um certo grau de dignidade a um filme, mas desta vez ele não tem muito a oferecer. É um filme que se passa todo um navio durante guerra, mas nunca parece nem um pouco claustrofóbico, é um filme de guerra, mas o perigo parece passar longe. É aquele típico filme de ação, em que alguns personagens vão morrer e o protagonista vai passar ileso, com muitas lições aprendidas que levará para a vida. 

My Octopus Teacher (d. Pippa Ehrlich, James Reed, 2020, AFS)

Imagens impressionantes do mundo submarino não sustentam um filme interessante, mas pouco criativo, com uma mensagem de auto-conhecimento que já está muito batida. As imagens do polvo brincando com a câmera são bem bonitas, e até trazem uma reflexão momentânea mas duram pouco.

Emma (d. Autumn de Wilde, 2020, RUN)

Uma outra adaptação de Jane Austen, sem nada de realmente interessante ou novo para agregar na discussão. Não sei se eu tava tão entediado que fiquei procurando mínimos detalhes, mas achei bacana como o filme apresenta tanta nudez em meio a opulências de figurino e cenário, e traz o vestir-se (e despir-se) como uma atividade cerimonial importante no século XIX, especialmente ao estabelecer relações entre mestre-empregado. Não à toa, o filme foi indicado a figurino e maquiagem. Mas pode ser só coisa da minha cabeça mesmo, já aviso. The Personal History of David Copperfield, indicado ao Globo de Ouro é uma adaptação de outra história meio batida, mas muito mais interessante.

Pinocchio (d. Matteo Garrone, 2019, ITA)

Socorro, quantas vezes Roberto Benigni vai interpretar Geppetto? O filme é bonito, tem umas cenas interessantes, a maquiagem é impressionante, mas o filme é um tanto frio e pouco criativo. Vale a pena ver se você não conhece a história, ou gosta muito dela, mas acho que as questões mais interessantes da obra ficaram de lado.

Over the Moon (d. Glen Keane, 2020, EUA/CHN)

O começo era promissor, mas um mês depois de ter assistido, tenho dificuldades em me lembrar do filme. Como Onward, o filme parte de um tema super interessante, o luto familiar – MUITO bem introduzido – para se transformar numa aventura meio barata, ainda que divertida, até que seus personagens superam medos e traumas e se reinventam.

The United States vs. Billie Holiday (d. Lee Daniels, 2021, EUA)

Outro filme biográfico sobre uma cantora fundamental da música norte-americana mas que é desprovido de algo mais do que a Importância da história ser contada. A direção e edição são muito fracas e a trajetória de embates de Holiday com o governo ganha força pela interpretação maravilhosa da estreante Andra Day, que aqui sim carrega o filme e o salva completamente.

The One and Only Ivan (d. Thea Sharrock, 2020, EUA)

Filme hollywoodiano típico da sessão da tarde, sobre um gorila e vários outros animais que vivem num circo e são explorados por seu dono de bom coração.

Mank (d. David Fincher, 2020, EUA)

Um filme muito aborrido, como os amigos espanhois e latinos falam. Li em algum lugar que é o típico filme da Netflix, em que você vê com o celular na mão buscando as referências jogadas pela trama, o que permite ao realizador (no caso o super competente David Fincher) só jogar elas no ar e não aprofundar nada direito. 

O preto e branco parece dar apenas um ar mais pomposo aos vários travellings do filme, que tenta endeusar um pouco a figura da competente Amanda Seyfried que interpreta Marion Davies enquanto ao interpretar Herman Mankiewicz Gary Oldman tenta se transformar num bêbado consciente memorável da história do cinema à la Albert Finney em À Sombra do Vulcão, mas falta um bom material para ele. 

Aqui, o público deve saber de antemão que ele acabou produzindo uma obra-prima e esses são os passos pelo qual teve que passar, tal qual as doze chagas de Cristo. Resumindo, uma lambança, mas com momentos que se você conhece Cidadão KAne, Uptown Sinclair ou outras das centenas de referências pode se divertir.

Mulan (d. Niki Caro, 2020, EUA)

Mais uma daquelas histórias batidas que de alguma maneira precisam ser contadas várias vezes. Mas nenhuma inventidade ou novidade neste filme formulaico.

One Night in Miami (d. Regina King, 2020, EUA)

Mais um filme da série “histórias reais poderosas para os espectadores de 2020”, é um filme que coloca quatro ótimos personagens num quarto e não sabe o que fazer com eles. Leslie Odom Jr. é o destaque ao interpretar Sam Cooke, prestes a lançar A Change is Gonna Come .

The Trial of Chicago 7 (d. Aaron Sorkin, 2020, EUA)

Difícil acreditar que Aaron Sorkin, roteirista dos maravilhosos A Rede Social e Steve Jobs, criou um filme tão verborrágico, mas com diálogos pavorosos e tão sem criatividade quanto este. Basta assistir a “Mangrove”, de Steve McQueen, também lançado este ano, para ver o quão fraco é.

Outro filme da linha de curiosidades históricas da Netflix, mas que parte para contar uma grande história, que nos emociona e esquecemos logo em sequência.

Tenet (d. Christopher Nolan, 2020, EUA)

Sinceramente, Nolan… nada de novo no front, um filme chato, confuso, megalomaníaco que serve mais para confundir do que qualquer coisa. Sobre o que é o filme, além de umas viagens loucas no tempo? Uma cena boa na ONU e a explosão no aeroporto até valem ser vistas, mas sinceramente…

Hillbilly Elegy (d. Ron Howard, 2020, EUA)

Muita gente estava ansiosa por esse filme no primeiro semestre e acho que só isso explica a indicação de Glenn Close num papel tão ruim quanto este. Ela traz o melhor que pode, mas não consegue salvar um filme insosso sobre valores familiares baseado nos maiores clichês possíveis, em que nem Amy Adams consegue ter uma boa interpretação. 

Better Days (d. Derek Tsang, 2019, CHN)

Um filme pavoroso repleto de clichês e imagens de caráter de exploração afetiva. Filme-tese sobre bullying e sobre o sistema escolar de Hong Kong que exige tanto de estudantes que estragam seus futuros. Mas o filme foca tanto nas misérias específicas de uma personagem (que acaba virando professora, então deu certo ao fim…) que parece só usar ela de vítima heróica.

Curtas e Médias

Curtas e médias são filmes perfeitos para se assistir durante o almoço, ou quando você tem aquele tempinho. Em geral, os festivais aceitam filmes de até 25 minutos e são os prêmios nos festivais ao redor do mundo – como o brasileiro É Tudo Verdade – que serve de inscrição ao Oscar. 

Talvez por conta da pandemia e o lançamento virtual da maioria sem a necessidade de compor sessões físicas, muitos filmes esse ano são bem longos, enquanto outros – em geral, os melhores! – são curtinhos. Mas quem sabe agora finalmente começa um bom mercado para médias?

The Present (d. Farah Nabulsi, 2020, PAL)

Um filme bem forte e interessante sobre os esforços do dia-a-dia de uma vida na Palestina, em especial numa cidade com fronteira imediata a um campo israelense, em que todos habitantes são constrangidos pelas mínimas coisas durante todos os dias em suas atividades regulares. Filme bem bonito, que emociona, que tem um tema poderoso, m

A Love Song for Latasha (d. Sophia Nahlie Allison, 2019, EUA)

Filme bem bonito sobre como a morte de uma menina negra por um motivo fútil incita protestos em Los Angeles e nos EUA. Esta parte é até conhecida, mas o filme foca no efeito de sua morte em sua família. A falta de imagens de arquivos parecia um grande problema, mas acaba criando uma força poderosa criativa com poder transformador. 

The Letter Room (d. Elvira Lind, 2020, EUA)

Oscar Isaac protagoniza o filme como um funcionário de um presídio que se apaixona (ou se excita?) pela esposa/namorada de um prisioneiro a partir das cartas sensuais que ela envia para ele. O ritmo é muito bom, e entrega um final interessante. 

Hunger Ward (d. Skye Fitzgerald, Michael Shueuerman, 2020, EUA)

Filme forte, potente sobre crianças famintas no Iêmen, país que sobre uma guerra civil há dez anos (confira um especial aqui sobre o país no Surto Olímpico). Talvez seja um pouco longo, mas todas histórias são tão incríveis, que vale a pena.

Yes-People (d. Gísli Darri Halldórsson, Arnan Gunnarssson, 2020, ISL)

Acho que o filme tinha espaço para ser excelente, mas a boa ideia que é bem trabalhada até cerca de metade do filme não sustenta tão bem até o final. Ainda assim, animação bem curiosa e fofa. 

White Eye (d. Tomer Shushan, 2019, ISR)

Filme impactante em seu estilo de tomada única, mas que parece servir mais para conquistar impacto, vagas e prêmio em festivais do que exatamente colaborar em algo com a história de um israelense comum que se vê envolvido (ou se envolve até não conseguir sair…) com imigrantes eritreus. 

Two Distant Strangers (d. Travon Free, Martin Desmond Roe, 2021, EUA)

Filme-tese, mas interessante, com um fim que segura bem e dá aquele golpe final impactante. Um filme perfeito para o momento atual mas que provavelmente funcionará bem no futuro. 

Burrow (d. Madeline Sharafian, 2020, EUA)

Um curta bem ao estilo pixar, fofo, inteligente e divertido. Seis minutos que vale muito a pena.

Genius Loci (d. Adrien Merigeau, 2020, FRA)

Uma animação francesa bem bonita e um pouco melancólica sobre o ambiente urbano. Personagens não são muito claros, as vezes, mas o estilo do filme conquista fácil.

If Anything Happens I Love You (d. Will McCormack, Michael Govier, EUA)

O filme é bem tocante, mas acho que as vezes poderia ser mais suave em sua apresentação de um casal  em luto pela morte de sua filha nas mãos de um assassino em série em sua escola. 

Do Not Split (d. Anders Hammer, 2020, EUA/NOR)

Mal comparando, seria um “Democracia em Vertigem” honconguês: pela primeira vez, a maior emissora do país não transmitirá o Oscar em 50anos e a China também proibiu a transmissão do evento e pediu para que não fosse dada tanta importância ao Oscar, que é o mais justo, importante e belo prêmio do cinema – contém ironia!

O filme é um passeio de câmera ao lado na onda da vídeo-militância que tanto chacoalhou os debates audiovisuais em meados da década passada e segue os protestos de Hong Kong contra a dominação chinesa. Como um filme que já se posiciona numa luta específica pela liberdade de expressão é ótima, mas claro que o buraco é mais embaixo.

Colette (d. Anthony Giacchino, 2020, EUA)

História bem emocionante sobre uma sobrevivente do holocausto que resolve voltar para a Alemanha a convite de uma historiadora, para prestar uma homenagem a seu irmão morto pelos nazistas. Bem convencional, nada muito original, mas bonito.

A Concerto is a Conversation (d. Ben Proudfoot, Kris Bowers, 2021, EUA)

Um jovem músico negro está prestes a estrear um concerto e conversa com seu avô, que abandonou o sul do país para ir a Los Angeles e se tornar um empresário. Duas gerações, duas Eras racistas, cada uma a seu jeito, se juntam. Mas justamente, acho que faltou uma colagem mais interessante, um diálogo entre as duas trajetórias, que parecem andar em paralelo até o fim. 

Opera (d. Erick Oh, 2020, CRS/EUA)

Eu até entendo o esplendor visual que o filme apresenta em tentar mostrar a vida e sociedade humana como uma grande orquestra, mas acho bem pobre cinematograficamente, com apenas uma ideia mal-trabalhada.

Feeling Through (d. Doug Roland, 2019, EUA)

Um filme bem bonito, e importante historicamente por trazer um ator cego-surdo como protagonista, alegadamente pela primeira vez num filme. Bonito, legal, mas nada muito incrível. 

Leave a comment

Filed under Cinema, Críticas

Kopfkino: Meu 2020 e o cinema (em casa) em 500 filmes

Finalmente, sai a lista dos melhores filmes que eu vi em 2020!

500 filmes entraram na lista abaixo, em 10 categorias: 11 minisséries, temporadas ou especiais e 18 filmes revistos (14 longas e 4 curtas). Os filmes vistos pela primeira vez entre 1 de janeiro e 31 de dezembro estão mencionados nas seis primeiras categorias divididos entre curtas e longas; entre filmes de 2020; da década passada (2010-19) e mais antigos; e duas últimas categorias fora de competição para fechar o top500.  Parece muito, mas eu realmente gostei de todos, em maior (os que estão nos tops) e menor grau (as menções).

Pensei em criar categorias ou falar um pouco de cada, mas aí a lista sairia só em 2022. Qualquer coisa me escrevam!

327 longas entraram na lista: 25 lançados originalmente em 2020 (ou seja, autênticos filmes de 2020), 84 filmes da década passada (lançados entre 2010 e 2019,top30 +menções), e outros 203 longas antigos (top100+ 103 menções); 14 na lista de revisões e a minha última sessão de cinema.

162 curtas estão mencionados: 27 lançados originalmente em 2020, 56 filmes da década passada (lançados entre 2010 e 2019) e 74 curtas antigos, lançados até 2009; 4 na lista de revisões e um jabá nada discreto ao final enquanto não abro meu onlyfans.

Zachariah, faroeste hippie queer, a descoberta mais inesperada do ano

Para quem não quiser olhar tudo, segue o top25 geralzão,incluindo revisões

  1. Compilation, 12 instants d’amour non partagé – Compilation, 12 instants d’amour non partagé – 2004 – FRA – Frank Beauvais
  2. As Horas – The Hours – 2002 – EUA/RUN – Stephen Daldry (revisão)
  3. Ulisses  – Ulysse – 1983 – FRA – Agnès Varda
  4. Garotos Selvagens – Les garçons sauvages – 2017 – FRA – Bertrand Mandic
  5. Visages, villages {Faces Places} Visages villages – 2017 – FRA – JR, Agnès Varda
  6. Heimat {Heimat: A Chronicle of Germany} Heimat – Eine Chronik in elf Teilen – 1984 – RFA – Edgar Reitz
  7. Um Filme Para Nick – Nick’s Film – Lightning Over Water Lightning Over Water – 1980 – SUE/RFA – Nicholas Ray, Wim Wenders
  8. As Estátuas também morrem – Les statues meurent aussi – 1953 – FRA – Ghislain Cloquet, Chris Marker, Alain Resnais (revisão)
  9. Daguerreótipos – Daguerreotypes – 1975 – FRA/RFA – Agnès Varda
  10. Dois Homens ao Mar {Two Men by the Sea} 2020 – BRA[RS]/EST – Gabriel Motta
  11. World of Tomorrow Episode Two: The Burden of Other People’s Thoughts – 2017 – EUA – Don Hertzfeldt
  12. No No Sleep – Wu wu mian – 2015 – TWN/HKO Tsai Ming Liang
  13. O Clamor da Juventude – Zachariah – 1971 – EUA – George Englund
  14. O Nosso Amor Vai Embora – 2019 – BRA [PE] – Mariana Lacerda, Claudia Priscilla
  15. Chá e Simpatia – Tea and Sympathy – 1956 – EUA – Vincente Minnelli
  16. Uma Canta, a Outra Não {One Sings, the Other Doesn’t} L’une chante l’autre pas – 1977 – FRA/URS – Agnès Varda
  17. A Outra Pátria {Home from Home: Chronicle of a Vision}  Die andere Heimat –  Chronik einer Sehnsucht – 2013 – ALE/FRA – Edgar Reitz
  18. Pelos Caminhos do Inferno – Outback / Wake in Fright – 1971 – RUN/AUS/EUA – Ted Kotcheff
  19. Days – Rizi – 2020 – TWN/FRA – Tsai Ming-Liang
  20. Algo Para Lembrar – Nagott att Minnas – 2019 – SUE – Niki Lindroth von Bahr
  21. Faca no Coração – Knife+Heart – Un couteau dans le coeur – 2018 – FRA – Yann Gonzalez
  22. Window Water Baby Moving – 1959 – EUA – Stan Brakhag
  23. Quando o Coração Floresce – Summertime – 1955 – RUN/EUA – David Lean
  24. Feios, Sujos e Malditos {Ugly, Dirty and Bad / Down and Dirty} Brutti, sporchi e cattivi – 1976 – ITA – Ettore Scola
  25. Um elefante sentado quieto {An Elephant Sitting Still} Da xiang xi di er zuo – 2018 – CHN – Hu Bo
  26. Aquele Sentimento do Verão {This Summer Feeling} Ce sentiment de l’été – 2015 – FRA/ALE – Mikhaël Hers
  27. Nadja em Paris {Nadja in Paris} Nadja à Paris – 1964 – FRA – Éric Rohmer
  28. À Sombra do Vulcão – Under the volcano – 1984 -MEX/EUA – John Huston
  29. O Caso dos Irmãos Naves – 1967 – BRA – Luiz Sérgio Person
  30. Genesis – Genèse – 2019 – CAN – Philippe Lesage

I. MELHORES LONGAS  de 2020 (top 25)

1- Days – Rizi – 2020 – TWN/FRA – Tsai Ming-Liang
2- Lovers Rock – 2020 – RUN – Steve McQueen
3- Meu Nome é Bagdá {My Name Is Baghdad} – 2020 – BRA [SP] – Caru Alves de Souza
4- The Woman Who Ran – Domangchin yeoja – 2020 – CRS – Hong Sang-soo
5- Sibéria – Siberia – 2020 – ITA/ALE/GRE/MEX – Abel Ferrara
6- Casa de Antiguidades {Memory House} – 2020 – BRA/FRA – João Paulo Miranda Maria
7- Passou {All of this is gone} – 2020 – BRA – Felipe André
8- Mangrove – 2020 – RUN – Steve McQueen
9- Homens Pink {Pink Men} 2020 – BRA [SP/SC] – Renato Turnes
10- Cidade-Pássaro – Shine Your Eyes – 2020 – BRA/FRA – Matias Mariani

11- American Utopia – David Byrne’s American Utopia – 2020 – EUA – Spike Lee
12- Verão de 85 {Summer of 85} Été 85 – 2020 – FRA/BEL – François Ozon
13- O Jovem Caçador {Young Hunter} El Cazador – 2020 – ARG – Marco Berger
14- Futur Drei {No Hard Feelings} Future Drei – 2020 – ALE – Faraz Shariat
15- Revelação – Disclosure: Trans Lives on Screen – 2020 – EUA – Sam Feder
16- Feels Good Man – 2020 – EUA – Arthur Jones
17- Guillermo Vilas: Esta Vitória é Sua {Settling the Score} Vilas: Serás lo que debas ser o no serás nada – 2020 – ARG – Matías Gueilburt
18- Vento Seco {Dry Wind} 2020 – BRA – Daniel Nolasco
19- Atleta A – Athlete A – 2020 – EUA – Bonni Cohen, Jon Shenk
20- Nossas Mães {Our Mothers} Nuestras Madres – 2020 – GUA/BEL/FRA – Cesar Diaz

5 em ordem alfabética

Cured – 2020 – EUA – Patrick Sammon, Bennett Singer
David Attenborough e Nosso Planeta – David Attenborough: A Life on Our Planet – 2020 – RUN – Alastair Fothergill, Jonathan Hughes, Keith Scholey
Vil, Má {Divinely Evil} 2020 – BRA – Gustavo Vinagre
Drag Kids – 2020 – CAN – Megan Wennberg
The Boys in the Band – 2020 – EUA – Joe Mantello

II. MELHORES CURTAS DE 2020 (top10 e 17 menções = 27)

1- Dois Homens ao Mar {Two Men by the Sea} 2020 – BRA[RS]/EST – Gabriel Motta
2- Morde & Assopra {Bite & Blow} 2020 – BRA [MG] – Stanley Albano
3- Deserto Estrangeiro – 2020 – BRA [RS] / ALE – Davi Pretto
4- Dádiva {Gift} 2020 – BRA [SP] – Evelyn Santos
5- Vai Corinthians – 2020 – BRA/ALE – Bruno Christofoletti Barrenha
6- Aos Cuidados Dela {in her care} 2020 – BRA [SP] – Marcos Yoshi
7- The World of tomorrow 3 – World of Tomorrow Episode Three: The Absent Destinations of David Prime – 2020 – EUA – Don Hertzfeldt
8- Inabitável – 2020 – BRA [PE] – Matheus Farias, Enock Carvalho
9- “Deve Ser Horrível Dormir Sem Mim” – 2020 – BRA – Manu Gavassi
10- República – 2020 – BRA [SP] – Grace Passô

  • 17 filmes que também são incríveis, em ordem alfabética

Estamos todos na sarjeta, mas alguns de nós olham as estrelas {We Are All in the Gutter, but Some of Us Are Looking at the Stars} -2020 -BRA [SP] – Sergio Silva, João Marcos de Almeida
Kini – Kini – 2020 – URU – Hernán Olivera
Manaus Hot City – 2020 – BRA [AM] – Rafael Ramos
Não Vai Ter Sangue {There Will be no Blood} Es wird kein Blut geben – 2020 – ALE – Paulo Menezes
O Colírio do Corman me Deixou Doido Demais – 2020 – BRA [RJ] – Ivan Cardoso
O vampiro de Niterói – 2020 – BRA – Renata Spitz, Mariana Ramos (minissérie curta)
Os Anéis da Serpente – Los Anillos de la Serpiente – 2020 – CHL – Edison Cájas
Os Heróis que Ficam em Casa – The Stay-at-Home Heroes – 2020 – BUL – Todor Nikolov
Os Últimos Românticos do Mundo {The Last Romantics of the World} – 2020 – BRA [PE] – Henrique Arruda
Pornô Anos 80 {80s Porn} 2020 – BRA [SP] – Mateus Capelo
Primeiro Amor – Premier Amour – 2020 – FRA/GRE – Haris Raftogiannis
Projeção Queer {Queer Projection} 2020 – BRA [SC] – Gabriel Turbiani
Próprio {Self} 2020 – BRA/EUA – Rafael Thomaseto
Público ou Privado {Public or Private} 2020 -BRA [SP] -Carolina Paris, Fernanda Souza e Rafis Martins
Seu Lindo Rosto {Beautiful You} Deine schöne Gestalt – 2020 – ALE – Bernadette Kolonko
Terra sem pecado {Sinless Land} Marcelo Costa – 2020 – BRA [DF] – Marcelo Costa
Uma Estudante {A Student} 2020 – CRS – Mi-ji Lee

III. LONGAS LANÇADOS ENTRE 2010 E 2019 (top30 e 54 menções = 84 filmes)

1- Garotos Selvagens – Les garçons sauvages – 2017 – FRA – Bertrand Mandico
2- Visages, villages {Faces Places} Visages villages – 2017 – FRA – JR, Agnès Varda
3- A Outra Pátria {Home from Home: Chronicle of a Vision} Die andere Heimat – Chronik einer Sehnsucht – 2013 – ALE/FRA – Edgar Reitz
4- Faca no Coração – Knife+Heart – Un couteau dans le coeur – 2018 – FRA – Yann Gonzalez
5- Um elefante sentado quieto {An Elephant Sitting Still} Da xiang xi di er zuo – 2018 – CHN – Hu Bo
6- Aquele Sentimento do Verão {This Summer Feeling} Ce sentiment de l’été – 2015 – FRA/ALE – Mikhaël Hers
7- Amanda – 2018 – FRA – Mikhaël Hers
8- Genesis – Genèse – 2019 – CAN – Philippe Lesage
9- A Torre {The Tower} 2019 – BRA [MG] – Sérgio Borges
10- Won’t You Be My Neighbor? – 2018 – EUA – Morgan Neville
11- Ninguém Está Olhando {Nobody’s Watching} Nadie Nos Mira – 2017 – ARG/ESP/COL/BRA/EUA – Julia Solomonoff
12- Meninos do Oriente – Eastern Boys – 2013 – FRA – Robin Campillo
13- A vida privada dos hipopótamos {I Touched All Your Stuff} 2014 – BRA – Maíra Bühler, Matias Mariani
14- Happy Old Year – 2019 – TAI – Nawapol Thamrongrattanarit
15- Happiness… Promised Land – Le bonheur… Terre promise – 2011 – FRA – Laurent Hesse
16- Crianças Lobo {Wolf Children} Ôkami kodomo no Ame to Yuki – 2012 – JAP – Mamoru Hosoda
17- Sem Fôlego – Wonderstruck – 2017 – EUA – Todd Haynes
18- Marvin {Reinventing Marvin} Marvin ou la belle éducation – 2017 – FRA – Anne Fontaine
19- A Morte Virá e Levará Seus Olhos {Death Will Come and Shall Have Your Eyes} Vendrá la Muerte y Tendrá Tus Ojos – 2019 – CHL/ALE/ARG – José Luis Torres Leiva
20- Lingua Franca – 2019 – EUA/FIL – Isabel Sandoval
21- O Estranho Caso de Angelica – 2010 – POR/ESP/FRA/BRA – Manoel de Oliveira
22- Música e Apocalípse {Music & Apocalypse} Weitermachen Sanssouci – 2019 – ALE – Max Linz
23- Suite Armoricaine {Armorican Suite} Suite Armoricaine – 2015 – FRA – Pascale Breton
24- Again Once Again – De Nuevo Otra Vez – 2019 – ARG – Romina Paula, Rosario Cervio
25- The Look of Silence – 2014 – DIN/INO/FIN/NOR/RUN/ISR/FRA/EUA/ALE/HOL – Joshua Oppenheimer
26- Bom Comportamento – Good Time – 2017 – EUA – Benny Safdie, Josh Safdie
27- Parasita – Gisaengchung- 2019 – CRS – Bong Joon Ho
28- Até que a Loucura nos Separe {Til Madness Do Us Part} Feng ai – 2013 – JPN/FRA/HKO – Wang Bing
29- L’amour debout {Love Blooms} L’amour debout – 2018 – FRA – Michaël Dacheux
30- Memory Lane – 2010 – FRA – Mikhaël Hers

  • 54 filmes que vi e curti (alguns até bastante):

120 Batimentos por Minuto {120 Beats Per Minute} 120 battements par minute – 2017 – FRA – Robin Campillo
2+2=22 [The Alphabet] AKA Streetscapes – Chapter 1 – 2017 – ALE – Heinz Emigholz
48 – 2010 – POR – Susana de Sousa Dias
A Fotografia Oculta de Vivian Maier – Finding Vivian Maier – 2013 – EUA – John Maloof, Charlie Siskel
A ilha do tesouro {Treasure Island} L’île au trésor – 2018 – FRA – Guillaume Brac
Ad Astra: Rumo às Estrelas – Ad Astra – 2019 – EUA – James Gray
Amor Até as Cinzas – Jiang hu er nü – 2018 – CHN/FRA/JAP – Jia Zhangke
Bacurau {Nighthawk} 2019 – BRA/FRA – Juliano Dornelles, Kleber Mendonça Filho
Barreiras – Barrage – 2017 – LUX/BEL/FRA – Laura Schröder
Beijos Escondidos {Hidden Kisses} Baisers cachés – 2016 – FRA – Didier Bivel
Benzinho – 2018 – BRA/URU/ALE – Gustavo Pizzi
Bixa Travesty {Tranny Fag} 2018 – BRA – Kiko Goifman, Claudia Priscilla
Computer Chess – 2013 – EUA – Andrew Bujalski
Die Mondverschwörung – 2011 – ALE/AUT/SUI – Thomas Frickel
E Então Nós Dançamos – And Then We Danced – 2019 – SUE/GEO/FRA – Levan Akin
Eleições {Elections} 2019 – BRA – Alice Riff
Em Ritmo de Fuga – Baby Driver – 2017 – RUN/EUA – Edgar Wright
Garota Sombria Caminha pela Noite – A Girl Walks Home Alone at Night – 2014 – EUA – Ana Lily Amirpour
Gretchen Filme Estrada {Gretchen Road Movie} 2010 – BRA – Eliane Brum, Paschoal Samora
Hermia & Helena – 2016 – ARG/EUA – Matías Piñeiro
História de um Casamento – Marriage Story – 2019 – RUN/EUA – Noah Baumbach
Honeyland – 2019 – MDN – Tamara Kotevska, Ljubomir Stefanov
Inferninho {My Own Private Hell} 2018 – BRA – Pedro Diogenes, Guto Parente
Jauja – 2014 – ARG/DIN/FRA/MEX/EUA/ALE/BRA/HOL – Lisandro Alonso
Kingsman: Serviço Secreto – Kingsman: The Secret Service – 2014 – RUN/EUA – Matthew Vaugh
Looking: O Filme – Looking: The Movie – Looking – 2016 – EUA – Andrew Haigh
Manta Ray – Kraben – 2018 – TAI/FRA/CHN – Phuttiphong Aroonpheng
Martha Marcy May Marlene – 2011 – EUA – Sean Durkin
Minha Amiga Victoria {My Friend Victoria} Mon amie Victoria – 2014 – FRA/BEL – Jean-Paul Civeryrac
Minha Vida de Abobrinha – Ma vie de courgette – 2016 – SUI/FRA – Claude Barras
O Círculo Cromático – The Color Wheel – 2011 – EUA – Alex Ross Perry
O Encontro – Time Out of Mind – 2014 – EUA – Oren Moverman
O Irlandês – The Irishman – I Heard You Paint Houses – 2019 – EUA – Martin Scorsese
O Professor Substituto {School’s Out} L’heure de la sortie – 2018 – FRA – Sébastien Marnier
O Reino de Deus – God’s Own Country – 2017 – RUN – Francis Lee
O Sexo dos Anjos – El sexo de los ángeles – 2012 – ESP/BRA – Xavier Villaverde
Os Fortes {The Strong Ones} Los Fuertes – 2019 – CHL – Omar Zúñiga Hidalgo
Passageiros da Vida – Land Ho! – 2014 – ISL/EUA – Aaron Katz, Martha Stephens
Pássaros de Verão {Birds of Passage} Pájaros de verano – 2018 – COL/DIN/MEX/ALE/SUI/FRA – Cristina Gallego, Ciro Guerra
Pendular {Pendule} 2017 BRA/ARG/FRA/ALE Júlia Murat
Ratos de Praia – Beach Rats – 2017 – EUA – Eliza Hittman
Reindeerspotting – Escape from Santaland – Reindeerspotting – pako Joulumaasta – 2010 – FIN – Joonas Neuvonen
Rocketman – 2019 – RUN/CAN/EUA – Dexter Fletcher
Selvagem {Wild} Sauvage – 2018 – FRA – Camille Vidal-Naquet
Shirley: Visões da Realidade – Shirley: Visions of Reality – 2013 – AUT – Gustav Deutsch
Sieranevada – 2016 – ROM – Cristi Puiu
Suk Suk {Twilight’s Kiss} 2019 – HKO – Ray Yeung
Swallow – 2019 – EUA/FRA – Carlo Mirabella-Davis
Toy Story 4 – 2019 – EUA – Josh Cooley
Turma da Mônica: Laços – 2019 – BRA – Daniel Rezende
Um Lindo Dia na Vizinhança – A Beautiful Day in the Neighborhood – 2019 – EUA/CHN – Marielle Heller
Uma Longa Viagem – 2011 – BRA – Lúcia Murat
Vitalina Varela {As filhas do Fogo} 2019 – POR – Pedro Costa
Vizinhos – Neighbors – 2014 – EUA – Nicholas Stoller

IV. CURTAS e MÉDIAS LANÇADOS ENTRE 2010 E 2019 (top 20 + 36 menções)

1- (emp) World of Tomorrow Episode Two: The Burden of Other People’s Thoughts – 2017 – EUA – Don Hertzfeldt
1- (emp) No No Sleep – Wu wu mian – 2015 – TWN/HKO Tsai Ming Liang
3- O Nosso Amor Vai Embora – 2019 – BRA [PE] – Mariana Lacerda, Claudia Priscilla
4- Algo Para Lembrar – Nagott att Minnas – 2019 – SUE – Niki Lindroth von Bahr
5- Extratos – Extratos – 2019 – BRA [SP] – Sinai Sganzerla
6- Cão Maior – 2019 – BRA [DF] – Filipe Alves
7- Estações Instáveis – Saisons Instables – 2019 – FRA – Florian Goralsky
8- Portugal Pequeno – 2019 – BRA [RJ] – Victor Quintanilha Moura Dias
9- Angela – 2019 – BRA – Marília Nogueira [curta]
10- Como Preparar Gimbap – How to Make Gimbap – 2019 – ALE – Ji Su Kang-Gatto
11- Sábado não é dia de Ir Embora {Saturday} – 2019 – BRA [RJ] – Luísa Giesteira
12- Como Preparar Subak Hwachae – How to Make Subak Hwachae – 2019 – ALE – Ji Su Kang-Gatto
13- Entre Nós e o Mundo – 2019 – BRA – Fábio Rodrigo
14- Dia Negro – Journée Noire – 2019 – SEN – Yoro Mbaye
15- Uma volta por Ouaga – Ça Tourne à Ouaga – 2017 – BKF – Irene Tassembedo
16- O Amante de Manila – The Manila Lover – 2019 – NOR/FIL – Johanna Pyykkö
17- Karaokê – Karaoke – 2019 – ARG -Axel Rezinovsky
18- Boa Noite – Da Yie – 2019 – BEL/GAN – Anthony Nti
19- Unsound (sem som) – Unsound – 2019 – EUA – Vivian Ostrovsky
20- Desconexo {Offline – 2019 – BRA [SP] – Lui Avallos

  • outros curtas e médias que vale a pena conferir

“I Don’t Know Which Tree it Comes from that” – 2017 – EUA – Jonas Mekas
A Vida Continua – Life Goes On – 2019 – NOR – Henry K. Norvalls
Água {Water} Vattnet – 2012 – HOL – Marco van Bergen
Boygame – 2013 – SUE – Anna Nolskog
Campo de Marte {Carton Titre: Champ de Mars} Champ de Mars – 2019 – SUI – Rokhaya Marieme Balde
Cinema Contemporâneo – 2019 – BRA [PE] – Felipe André Silva
Como Preparar Yachaejuk – How to Cook Yachaejuk – 2019 – ALE – Ji Su Kang-Gatto
El inicio – The Beginning – El inicio – 2010 – ARG – Luis María Mercado
End of Summer – 2014 – DIN/ISL/ANT – Jóhann Jóhannsson
Escapade – 2014 – HOL – Gijs Blom
Febre Austral – Fiebre Austral – 2019 – CHL – Thomas Woodroffe
Foto Documento – 2016 – ARG – Antonella Defranza
Formas Concretas de Resistência – Concrete Forms of Resistance – 2019 RUN/LBN – Nick Jordan
Ghost Strata – 2019 – RUN – Ben Rivers
Hans – Hann – 2018 – ISL – Runar Þór Sigurbjörnsson
Ilhas de Calor {Island of Heat} 2019 – BRA [AL] – Priscila Nascimento
In Memorian – O Roteiro do Gravador {In Memorian – The Script of a Recorder} 2019 BRA [RJ] Sylvio Lanna
Jag är Polisen – 2014 – HOL – Marco van Bergen
La pelicula infinita {The Endless Film} La pelicula infinita – 2018 – ARG – Leandro Listorti
Lamúria {Lament} Lamúria – 2011 – BRA [PB] – Nathan Cerino
Mãtãnãg, a Encantada {Mãtãnãg, The Enchanted One} 2019 – BRA [MG] – Shawara Maxakali, Charles Bicalho
Migrante {Migrant} Migrante – 2019 – ARG – Esteban Ezequiel Dalinger, Cesar Daniel Iezzi
Noctiluca – 2014 – URU – Juan Carve
North Korea Series – 2018 – Indigo Traveller (minissérie curta)
O Portão de Ceuta {Ceuta’s Gate} Bab Sebta – 2019 – FRA/MAR – Randa Maroufi
Porta dos Fundos – Especial de Natal: Se Beber, Não Ceie – 2018 – BRA – Rodrigo Van Der Put
Reel – 2013 – SUE – Jens Choong
Tea for Two – 2019 – BRA – Julia Katharine
Trêmulo – Tremulous – Trémulo – 2015 – MEX – Roberto Fiesco
Um Conto do Nada: Circo – 2019 – BRA [SP] – DanSP, Heitor Lyra
Venus – 2019 -BRA [MG] – Pedro Estrada
Violin – Violine – 2012 – ALE – Roman Ilyushenko
Walker – [行者] – 2012 – HKO – Tsai Ming Liang
We Are Animals – 2013 – EUA – Dominic Haxton
We Remember Moments – 2015 – NOR/ISL – Iver Jensen
Zombies – 2018 – BEL/RDC – Baloji

V. MELHORES LONGAS LANÇADOS ATÉ 2009 (top100 + 103 menções)

1- Um Filme Para Nick – Nick’s Film – Lightning Over Water Lightning Over Water – 1980 – SUE/RFA – Nicholas Ray, Wim Wenders
2- Daguerreótipos – Daguerreotypes – 1975 – FRA/RFA – Agnès Varda
3- O Clamor da Juventude – Zachariah – 1971 – EUA – George Englund
4- Chá e Simpatia – Tea and Sympathy – 1956 – EUA – Vincente Minnelli
5- Uma Canta, a Outra Não {One Sings, the Other Doesn’t} L’une chante l’autre pas – 1977 – FRA/URS – Agnès Varda
6- Pelos Caminhos do Inferno – Outback / Wake in Fright – 1971 – RUN/AUS/EUA – Ted Kotcheff
7- Quando o Coração Floresce – Summertime – 1955 – RUN/EUA – David Lean
8- Feios, Sujos e Malditos {Ugly, Dirty and Bad / Down and Dirty} Brutti, sporchi e cattivi – 1976 – ITA – Ettore Scola
9- À Sombra do Vulcão – Under the volcano – 1984 -MEX/EUA – John Huston
10- O Caso dos Irmãos Naves – 1967 – BRA – Luiz Sérgio Person

11-Cria Corvos – Cría Cuervos… – 1976 – ESP – Carlos Saura
12- Amor ao Mar {Love at Sea } L’amour à la mer – 1964 – FRA – Guy Gilles
13- O Segundo Rosto – Seconds – 1966 – EUA – John Frankenheimer
14- Iran is my Land – Iran Saraye Man Ast – 1999 – IRA – Parviz Kimiavi
15- Deus Sabe Quanto Amei – Some Came Running – 1958 – EUA – Vincente Minnelli
16- Une aussi longue absence – 1961 – FRA/ITA – Henri Colpi
17- Les amis {The Friends} 1971 – FRA – Gérard Blain
18- No Sul do Pacífico – South Pacific – 1958 – EUA – Joshua Logan
19- Bunny Lake desapareceu – Bunny Lake Is Missing – 1965 – RUN – Otto Preminger
20- Habeas Corpus – 1986 – ARG – Jorge Acha

21- Paixão Selvagem – Canyon Passage – 1946 – EUA – Jacques Tourneur
22- O Testamento de Orfeu {Testament of Orpheus} Le testament d’Orphée ou ne me demandez pas pourquoi – 1960 – FRA – Jean Cocteau
23- O Esporte Favorito dos Homens – Man’s Favorite Sport? – 1964 – EUA – Howard Hawks
24- De Punhos Cerrados {Fists in the Pocket} I pugni in tasca – 1965 – ITA – Marco Bellocchio
25- A Estranha Passageira – Now, Voyager – 1942 – EUA – Irving Rapper
26- Diabólicos Sedutores – Something for Everyone – 1970 – EUA – Harold Prince
27- Um Garoto na Multidão {A Child in the Crowd} Un enfant dans la foule – 1976 – FRA – Gérard Blain
28- Alucinações do Passado – Jacob’s Ladder – 1990 – EUA – Adrian Lyne
29- Braço de Diamante {Diamond Arm} Brilliantovaya ruka – 1969 – URS – Leonid Gaidai
30- Jornada Fabulosa – It Couldn’t Happen Here – 1987 – RUN – Jack Bond

31- Body Without Soul – Telo bez duse – 1995 – RTC – Wiktor Grodecki
32- Obsessão Sinistra – The Best of Friends / What’s the Matter with Helen? – 1971 – EUA – Curtis Harrington
33- Procura Insaciável – Taking Off – 1971 – EUA – Milos Forman
34- Kung-Fu Master! {Little Love} 1988 – FRA – Agnès Varda
35- Aus einem deutschen Leben {Death Is My Trade} 1978 – RFA – Theodor Kotulla
36- Oz – Oz: A Rock n Roll Road Movie – 1976 – AUS – Chris Löfvén
37- Gallivant – 1996 – RUN – Andrew Kotting
38- Romance – 1999 – FRA – Catherine Breillat
39- Cães Raivosos {Kidnapped} Cani arrabbiati – 1998 [1974] – ITA – Mario Bava
40- Family Way – The Family Way – 1966 – RUN – John Boulting, Roy Boulting

41- O Abominável Dr. Phibes – The Abominable Dr. Phibes – 1971 – RUN – Robert Fuest
42- A Aldeia dos Amaldiçoados – Village of the Damned – 1960 – RUN – Wolf Rilla
43- Disco Limbo – 2016 – ARG – Fredo Landaveri, Mariano Toledo
44- Saindo – Coming Out – 1989 – RDA – Heiner Carow
45- Rebelião {Samurai Rebellion} Jôi-uchi: Hairyô tsuma shimatsu – 1967 – JAP – Masaki Kobayashi
46- 2:37 – É Só uma Questão de Tempo – 2:37 – 2006 – AUS – Murali K. Thalluri
47- O Vale dos Perdidos {The Valley (Obscured by Clouds)} La vallée – 1972 – FRA – Barbet Schroeder
48- A Bigger Splash – 1973 – RUN – Jack Hazan
49- A Ratoeira {The Rat-Trap} Elippathayam – 1982 – IND – Adoor Gopalakrishnan
50- Sangue de Um Poeta {The Blood of a Poet} Le sang d’un poète – 1930 – FRA – Jean Cocteau

51- Fúria Sanguinária – White Heat – 1949 – EUA – Raoul Walsh
52- Luz del Fuego – 1982 – BRA – David Neves
53- Unguided Tour {Letter from Venice} Giro turistico senza guida – 1984 – ITA – Susan Sontag
54- Tie Xi Qu: West of the Tracks – Tiexi qu – 2002 – CHN/HOL – Wang Bing
55- Atlantic City – Atlantic City, USA – 1980 – FRA/CAN – Louis Malle
56- Angèle – 1934 FRA Marcel Pagnol
57- O Fantasma do Paraíso – Phantom of the Paradise – 1974 – EUA – Brian De Palma
58- Lianna, Um Amor Diferente – Lianna – 1983 – EUA – John Sayles
59- Noite e Dia {Night and Day} Nuit et jour – 1991 – BEL/FRA/SUI – Chantal Akerman
60- Nostalgia for Countryland – Thuong nho dong quê – 1995 – VIE – Dang Nhat Minh

61- Themroc – Regresso às Cavernas [pt] – Themroc – 1973 – FRA – Claude Faraldo
62- Uma Mulher Descasada – An Unmarried Woman – 1978 – EUA – Paul Mazursky
63- A Broad Bellflower – Torajikkot – 1987 – CRN – Eun-hie Choi, Kyun Soon Jo, Sang-ok Shin
64- Ascensor para o Cadafalso {Elevator to the Gallows} Ascenseur pour l’échafaud – 1958 – FRA – Louis Malle
65- O Túmulo Vazio – The Body Snatcher – 1945 – EUA – Robert Wise
66- The Emperor’s Naked Army Marches On – Yuki yukite, shingun – 1987 – JAP – Kazuo Hara
67- Aqueles Dois – 1985 – BRA [RS] – Sergio Amon
68- The Leather Boys – 1964 – RUN – Sidney J. Furie
69- Toda uma Noite {A Whole Night / All Night Long} Toute une nuit- 1982 – BEL/FRA/HOL/CAN – Chantal Akerman
70- Wanda – 1970 – EUA – Barbara Loden

71- Meia-Noite – Midnight – 1939 – EUA – Mitchell Leisen
72- The Last Real Men – Die letzten Männer – 1994 – AUT – Ulrich Seidl
73- Amor Estranho Amor Love {Strange Love} 1982 – BRA – Walter Hugo Khouri
74- And Next Year at Lake Balaton – Und nächstes Jahr am Balaton – 1980 – RDA – Herrmann Zschoche
75- Juvenile Court – 1973 – EUA – Frederick Wiseman
76- O Ano que Vivemos em Perigo – The Year of Living Dangerously – 1982 – AUS/EUA – Peter Weir
77- La Danse {La Danse: The Paris Ballet Opera} La danse: Le ballet de l’Opéra de Paris – 2009 – FRA/EUA – Frederick Wiseman
78- O Parque Macabro – Carnival of Soul – 1962 – EUA – Herk Harvey
79- Demons – Filhos das Trevas – Dèmoni – 1985 – ITA – Lamberto Bava
80- The Days When I Do Not Exist – Les jours où je n’existe pas – 2002 – FRA – Jean-Charles Fitoussi

81- Por Quem os Sinos Dobram – For Whom the Bell Tolls – 1943 – EUA – Sam Wood
82- Perfect Blue – Pâfekuto burû – 1997 – JAP – Satoshi Kon
83- Meninos de Rua – Children Underground – 2001 – EUA – Edet Belzberg
84- Martin – 1977 – EUA – George A. Romero
85- Salão Kitty – Salon Kitty – 1976 – ITA/FRA/RFA – Tinto Brass
86- Na Cova da Serpente – The Snake Pit – 1948 – EUA – Anatole Litvak
87- A Floresta Petrificada – The Petrified Forest – 1936 – EUA – Archie Mayo
88- Com a Maldade na Alma – Hush…Hush, Sweet Charlotte – 1964 – EUA – Robert Aldrich
89- Adam 2 – Adam 2 – 1968 – RFA – Jan Lenica
90- A Tartaruga Vermelha – La tortue rouge – 2006 – FRA – Michael Dudok de Wit

91- Devagar, Não Corra – Walk Don’t Run – 1966 – EUA – Charles Walters
92- A Lenda da Flauta Mágica – The Pied Piper – 1972 – RUN/RFA/EUA – Jacques Demy
93- Onde o Mundo Acaba – Calabuch – 1956 – ESP/ITA – Luis García Berlanga
94- Meu Último Tango – My Last Tango – Mi último tango – 1960 – ESP – Luis César Amadori
95- Dog Star Man – 1964 – EUA – Stan Brakhage
96- Menino de engenho – 1965 – BRA – Walter Lima Jr.
97- Ela, a Chinesa – She, a Chinese – 2009 – RUN/FRA/ALE/CHN – Xiaolu Guo
98- Baxter, Vera Baxter – Les plages de l’Atlantique – Baxter, Vera Baxter – 1977 – FRA – Marguerite Duras
99- Um Som Diferente – Pump Up the Volume – 1990 – CAN/EUA – Allan Moyle
100- Gumnaam {The Unknown} 1965 – IND – Raja Nawathe

103 outros filmes que mesmo em menor grau, recomendo:

A Busca do Lucro e o Sussurro do Vento – Profit Motive and the Whispering Wind – 2007 – EUA – John Gianvito
A Confissão {The Confession} L’aveu – 1970 – FRA/ITA – Costa-Gavras
A Flor do Havaí {Flower of Hawaii} Die Blume von Hawaii – 1933 – ALE – Richard Oswald
A Intrusa {The Intruder / La intrusa} 1979 – BRA – Carlos Hugo Christensen
A Mulher do Século – Auntie Mame – 1958 – EUA – Morton DaCosta
A Ópera dos Três Vinténs {The 3 Penny Opera} Die 3 Groschen-Oper – 1931 – ALE – Georg Wilhelm Pabst
A Primeira Noite de Tranqüilidade {Indian Summer / The Professor} La prima notte di quiete – 1972 – ITA/FRA – Valerio Zurlini
A Raposa do Rabo de Veludo – El ojo del huracan – 1971 – ESP/ITA – José Maria Forqué
A Rustling of Leaves: Inside the Philippine Revolution – 1988 – CAN – Nettie Wild
A Travessia {The Crossing} Paar – 1984 – IND – Goutam Ghose
A Um Passo do Abismo – Over the Edge – 1979 – EUA – Jonathan Kaplan
Além das Nuvens – The way to the Stars – 1945 – RUN – Anthony Asquith
América – O Sonho de Chegar – Lamerica 1994 ITA/FRA/SUI/AUT – Gianni Amelio
Amigo/Amado {Beloved/Friend} Amic/Amat – 1999 – ESP – Ventura Pons
Aparte {On the Margins} Aparte – 2002 – URU – Mario Handler
As 7 Máscaras da Morte / As Sete Máscaras da Morte – Theater of Blood – 1973 – RUN – Douglas Hickox
Atriz Milenar {Millenium Actress} Sennen joyû – 2001 – JAP – Satoshi Kon
Baruch – This Ancient Law {This Ancient Law} Das alte Gesetz – 1923 – ALE – Ewald André Dupont
Batismo de Fogo {Feuertaufe. Der Film vom Einsatz unserer Luftwaffe in Polen} Feuertaufe – 1940 – ALE – Hans Bertram
Boys {The Boys} Pojat – 1962 – FIN – Mikko Niskanen
Central Bazaar – 1976 – RUN – Stephen Dwoskin
Crepúsculo do Caos – The Last of England – 1987 – RUN/RFA – Derek Jarman
Crônica de Anna Magdalena Bach {The Chronicle of Anna Magdalena Bach} Chronik der Anna Magdalena Bach – 1968 – RFA/ITA – Danièle Huillet, Jean-Marie Straub
Descrição de uma ilha {Description of an Island} Beschreibung einer Insel – 1979 – RFA – Cynthia Beatt, Rudolf Thome
Dize-me que Me Amas, Junie Moon – Tell Me That You Love Me, Junie Moon – 1970 – EUA – Otto Preminger
Dois Monjes {Two Monks} Dos monjes – 1934 – MEX – Juan Bustillo Oro
Espelho de Maya Deren – Im Spiegel der Maya Deren – 2001 – AUT/RTC/SUI/ALE – Martina Kudlácek
Eu Sou Curiosa – Amarelo – Jag är nyfiken – en film i gult -1967 – SUE – Vilgot Sjöman
For Those Who Will Follow – Pour la suite du monde – 1963 – CAN – Michel Brault, Pierre Perrault
Gaiola da Morte – 1992 – BRA – Waldir Kopesky
Garotinho Bobo – Garçon stupide – 2004 – SUI/FRA – Lionel Baier
Gay USA – 1977 – EUA – Arthur J. Bressan Jr.
Hanussen, o Profeta – Hanussen – 1988 – HUN/RFA/AUT – István Szabó
Hausu – 1977 – JAP – Nobuhiko Ôbayashi
Home – 2008 – Ursula Meier
Ilha dos Cisnes {Island of Swans} Insel der Schwäne – 1983 – RDA – Herrmann Zschoche
Inferno {Dante’s Inferno} L’Inferno – 1911 – ITA – Francesco Bertolini, Adolfo Padovan, Giuseppe de Liguoro
Jaula Amorosa {Joy Houe} Les félins – 1964 – FRA – René Clément
Jean Cocteau Autorretrato de Um Desconhecido {Jean Cocteau: Autobiography of an Unknown} Jean Cocteau: Autoportrait d’un inconnu – 1983 – FRA – Edgardo Cozarinsky
La Visa Loca – Pasyon USA – 2005 – FIL – Mark Meily
Les trottoirs de saturne – Las veredas de Saturno – 1986 – FRA/ARG – Hugo Santiago
Luster {Muse} 2002 – EUA -Everett Lewis
Mad Hot Ballroom – 2005 – EUA – Marilyn Agrelo
Made in Britain – Tales Out of School: Made in Britain – Made in Britain – 1980 – RUN – Alan Clarke
Milagre de Anne Sullivan – The Miracle Worker – 1962 – EUA – Arthur Penn
Mimi, o Metalúrgico {The Seduction of Mimi} Mimì metallurgico ferito nell’onore – 1972 – ITA – Lina Wertmüller
Minha Namorada – 1970 – BRA – Armando Costa, Zelito Viana
Mondo Weirdo {Virgin on the Edge} Jungfrau am Abgrund – 1990 – AUT/RFA – Carl Andersen
Mozart in Love – 1975 – EUA – Mark Rappaport
Mulheres Fáceis {Good Time Girls} Les bonnes femmes – 1960 – FRA/ITA – Claude Chabrol
No Limiar da Liberdade – Figures in a Landscape – 1970 – EUA – Joseph Losey
Noite Macabra – Phantasm – 1979 – EUA – Don Coscarelli
Nuvens Passageiras {Drifting Clouds} Kauas pilvet karkaavat – 1996 – FIN/ALE/FRA – Aki Kaurismäki
O Clube dos Corações Partidos – The Broken Hearts Club: A Romantic Comedy – 2000 – EUA – Greg Berlanti
O Estado das Coisas – Der Stand der Dinge – 1982 – RFAHOL/RUN/RFA/FRA/ESP/POR/EUA – Wim Wenders
O Farol {The Lighthouse} Mayak – 2006 – RUS/ARM -Mariya Saakyan
O General do Diabo {The Devil’s General} Des Teufels General 1955 – RFA – Helmut Käutner
O Gosto do Chá – Cha no aji – 2004 – JAP – Katsuhito Ishii
O Homem Ferido {The Wounded Man} L’homme blessé – 1983 – FRA – Patrice Chéreau
O Homem Que Deixou Seu Testamento No Filme {The Man Who Left His Will on Film} Tôkyô sensô sengo hiwa – 1970 – JAP – Nagisa Ôshima
O Matador de Ovelhas – Killer of Sheep – 1978 – FRA – Charles Burnett
O Médico e o monstro – Dr. Jekyll and Mr. Hyde – 1920 – EUA – John S. Robertson
O Retrato de Dorian Gray {Dorian Gray} Das Bildnis des Dorian Gray – 1970 – RUN/ITA/RFA – Massimo Dallamano
Olivia {The Pit of Loneliness} Olivia – 1951 – FRA – Jacqueline Audry
Oriana – 1985 – VEN/FRA – Fina Torres
Os Assassinos da Rua Morgue [Os Assassinatos da Rua Morgue] Murders in the Rue Morgue – 1932 – EUA – Robert Florey
Os Cavalos de Fogo {Shadows of Forgotten Ancestors} Tini zabutykh predkiv – 1965 – URS – Sergei Parajanov
Pão, Amor e Fantasia – Pane, amore e fantasia – 1953 – ITA – Luigi Comencini
Party Girl – 1995 – EUA – Daisy von Scherler Mayer
Pelos Bairros do Vício – Walk on the Wild Side – 1962 – EUA – Edward Dmytryk
Possuída – Ginger Snaps – 2000 – CAN – John Fawcett
Primose Hill – 2007 – FRA – Mikhaël Hers
Pulse – Kairo – 2001 – JAP – Kiyoshi Kurosawa
Quando Canta o Coração – Two weeks with Love -1950 – EUA – Roy Rowland
Rainbow Island – 1944 – EUA – Ralph Murphy
Recomeça a Vida {To New Shores / Life Begins Anew} Zu neuen Ufern – 1937 – ALE – Douglas Sirk
Relection of Evil – 2002 – EUA – Damon Packard
Repo Man: A Onda Punk – Repo Man – 1984 – EUA – Alex Cox
Revanche – 2008 – AUT – Götz Spielmann
Scaramouche – 1952 – EUA – George Sidney
Scum – 1979 – RUN – Alan Clarke
Searching for the Wrong-Eyed Jesus -2003 – EUA – Andrew Douglas
Set Me Free – Emporte-moi – 1999 – CAN/SUI/FRA – Léa Pool
Teenage Angst {Spieltieb} Teenage Angst – 2008 – RUN – Thomas Stuber
Tenebre – 1982 – ITA – Dario Argento
Tensão Sexual 2 {Sexual Tension: Volatile} Tensión sexual, Volumen 1: Volátil – ARG/EUA/FRA – Marco Berger, Marcelo Briem Stamm
Tequila – 1992 – MEX – Rubén Gámez
Tetsuo: O Homem de Ferro – Tetsuo – 1989 – JAP – Shin’ya Tsukamoto
The Play – Oyun – 2005 – TUR – Pelin Esmer
Tokyo Sweetheart – Tôkyô no koibito – 1952 – JAP – Yasuki Chiba
Tom Dowd & the Language of Music – Tom Dowd & the Language of Music – 2003 – EUA – Mark Moormann
Tonite Let’s All Make Love in London [London, Frühjahr 67] – Tonite Let’s All Make Love in London – 1967 – RUN – Peter Whitehead
Tudo Começou em Paris – Summer Holiday – 1963 – RUN – Peter Yates
Turumba – 1981 – FIL – Kidlat Tahimik
Um Domingo em Nova York – Sunday in New York – 1963 – EUA – Peter Tewksbury
Uma Página de Loucura – Kurutta ippêji – 1926 – JAP – Teinosuke Kinugasa
Vagon Fumador {Smokers Only} Vagón fumador – 2001 – ARG – Verónica Chen
Vamos Sonhar {Let’s Make a Dream} Faisons un rêve… – 1936 – FRA – Sacha Guitry
Vendaval em Jamaica – A High Wind in Jamaica – 1965 – RUN – Alexander Mackendrick
Via Láctea [O Estranho Caminho de São Tiago] {The Milky Way} La voie lactée – 1969 – FRA/ITA – Luis Buñuel
Vincent – Vincent: The Life and Death of Vincent Van Gogh – 1987 – AUS/BEL – Paul Cox
Vingança Diabólica – Murders in the Zoo – 1933 – EUA – A. Edward Sutherland
Waldheim: A Commission of Inquiry – Waldheim: A Commission of Inquiry – 1988 – RUN – Jack Saltman

VI. CURTAS E MEDIAS LANÇADOS ATÉ 2009 (74 filmes)

1- Compilation, 12 instants d’amour non partagé – Compilation, 12 instants d’amour non partagé – 2004 – FRA – Frank Beauvais
2- Ulisses – Ulysse – 1983 – FRA – Agnès Varda
3- Window Water Baby Moving – 1959 – EUA – Stan Brakhage
4- Nadja em Paris {Nadja in Paris} Nadja à Paris – 1964 – FRA – Éric Rohmer
5- Baby Shark – Bébé requin – 2005 – FRA – Pascal-Alex Vincent
6- Je flotterai sans envie – 2008 – FRA – Frank Beauvais
7- Tio Yanco {Uncle Yanco} Oncle Yanco – 1967 – FRA/EUA – Agnès Varda
8- Girl Power – 1992 – EUA – Sadie Benning
9- La Question ordinaire – La Question ordinaire – 1969 – FRA – Claude Miller
10- Quest – 1984 – EUA – Elaine Bass, Saul Bass
11- Lin e Katazan – 1982 – BRA – Edgard Navarro
12- I’ll be Watching You – 2007 – EUA – Kenneth Angger
13- Kustom Kar Kommandos – 1965 – EUA – Kenneth Anger
14- Last Spring – 1954 – FRA/EUA – François Reichenbach
15- Dog Star Man: Parte 1 – Dog Star Man: Part I – 1962 – EUA – Stan Brakhage
16- The Life and Death of 9413: a Hollywood Extra – 1928 – EUA – Robert Florey, Slavko Vorkapich
17- O Aniversário de Bobby – Bob’s Birthday – 1994 – CAN/RUN – Alison Snowden, David Fine
18- Houston, Texas – 1956 – FRA – François Reichenbach
19- Ecstasis – 1969 – JAP – Toshio Matsumoto
20- Phantom – 1975 – JAP – Toshio Matsumoto
21- Rabbit’s Moon – 1971 – EUA – Kenneth Anger
22- Les Marines – 1957 – FRA – François Reichenbach
23- Menilmontant – Ménilmontant – 1926 – FRA – Dimitri Kirsanoff
24- Everything visible is empty – Shiki, soku ze ku: Seijo – 1975 – JAP – Toshio Matsumoto
25- Fim {End} Verj [Конец] – 1992 – ARM – Artavazd Peleshian
26- Puce Moment – 1949 – EUA – Kenneth Anger
27- Celles qui s’en font – 1929 – FRA – Germaine Dulac
28- The Collector – Koleksiyoncu: The Collector – 2002 – TUR – Pelin Esmer
29- Vida de Cachorro – A Dog’s Life – 1918 – EUA – Charles Chaplin
30- It Wasn’t Love – 1992 – EUA – Sadie Benning

+44 filmes

A Aventura Perdida de Scrat – Gone Nutty – 2002 – BRA – Carlos Saldanha
A Fórmula Mágica – The Worm Turns – 1937 – EUA – Ben Sharpsteen
A Place Called Lovely – 1991 – EUA – Sadie Benning
Aimless walking -Bezucelná procházka – 1930 – TCH – Alexander Hammid
Bassae – Βάσσες – 1964 – FRA – Jean-Daniel Pollet
Black Panthers – 1968 – FRA – Agnès Varda
By the Kiss – 2006 – FRA – Yann Gonzalez
Charell – 2006 – FRA – Mikhaël Hers
Chromophobia – 1966 – BEL – Raoul Servais
Connection – 1981- JAP – Toshio Matsumoto
Dog Star Man: Parte 3 – Dog Star Man: Part III – 1964 – EUA – Stan Brakhage
Dog Star Man: Parte 4 – Dog Star Man: Part IV – 1964 – EUA – Stan Brakhage
Dog Star Man: Prelúdio – Prelude: Dog Star Man – 1962 – EUA – Stan Brakhage
Dorf and the First Games of Mount Olympus – 1988 – RUN – Lang Elliott
Eclipse – 1984 – BRA – Antônio Moreno
Einsvierzig {One Fourty} 1980 – AUT – Ulrich Seidl
Engenheiros Desastrados / O Barco do Mickey – Boat Builders – 1938 – EUA – Ben Sharpsteen
Estou com fome, estou com frio {I’m Hungry, I’m Cold} J’ai faim, j’ai froid – 1984 – FRA – Chantal Akerman
Exposed – 1978 – BRA – Edgar Navarro
For My Crushed Right Eye – Tsuburekakatta migime no tame ni – 1969 – JAP – Toshio.Matsumoto
Goldframe – 1970 – BEL – Raoul Servais
Há um Zumbido há um mosquito são dois – 2007 – ANG – Ery Claver
If Every Girl Had a Diary – 1990 – EUA – Sadie Benning
James – 2008 – RUN – Connor Clements
Jollies – 1990 – EUA – Sadie Benning
Me and Rubyfruit – 1990 – EUA – Sadie Benning
Mona Lisa – 1973 – JAP – Toshio Matsumoto
Nós {We} Menk – 1969 – URS/ARM – Artavazd Peleshian
Nus Masculinos – Nus Masculins – 1954 – FRA – François Reichenbach
O homem com a mala {The Man with the Suitcase} L’Homme à la valise – 1984 – FRA – Chantal Akerman
O Julgamento de Pluto – Pluto’s Judgment Day – 1935 – EUA – David Hand
O Sofá Vermelho – Le canapé rouge – 2005 – FRA – Éric Rohmer, Marie Rivière
Pegasus – 1974 – BEL – Raoul Servais
Plastic Bag – 2009 – EUA – Ramin BahranI
Record 957 – Disque 957 – 1928 – FRA – Germaine Dulac
Resposta das Mulheres: Nosso Corpo, Nosso Sexo {Women Reply} Réponse de femmes: Notre corps, notre sexe – 1975 – FRA – Agnès Varda
Streets of Crocodiles – 1986 – RUN – Stephen Quay, Timothy Quay
Tale of Tales – Skazka skazok – 1979 – URS – Yuri Norstein
The Sinking of the Lousitana – The Sinking of the “Lusitania” – 1918 – EUA – Winsor McCay
The Storm-Tamer {The Tempest: Poem on the Sea} Le Tempestaire – 1947 – FRA – Jean Epstein
Time for Love – 1994 – EUA? – Carlos Saldanha
To Speak or not to speak – 1972 – BEL – Raoul Servais
Twice a Man – 1964 – EUA – Gregory J. Markopoulos
Washington Square Sunday – 1978 – EUA/BRA – Jorge O’Mourão

VII. Minisséries, temporadas, especiais (11)

1- Heimat {Heimat: A Chronicle of Germany} Heimat – Eine Chronik in elf Teilen – 1984 – RFA – Edgar Reitz
2- Fun to Imagine with Richard Feynman – 1983 – RUN – Christopher Sykes
3- Paranoia Agent – Môsô dairinin – 2004 – JAP – Satoshi Kon, Takuji Endo, Hiroshi Hamazaki, Takayuki Hirao, Nanako Shimazaki, Kôjirô Tsuruoka
4- Years and Years – 2019 – RUN- Simon Cellan Jones, Lisa Mulcahy, Russell T Davies
5- The Circle Brasil – 1ª Temporada – The Circle: Brazil – 2020 – BRA/RUN
6- Greece: The Hidden War – 1986 – RUN – Jane Gabril
7- Big Brother Brasil 20 – 2020 – BRA
8- A Fazenda 12 – 2020 – BRA
9 – O Gâmbito da Rainha – The Queen’s Gambit – 2020 – EUA
10- Valeria: 1ª temporada
11- The Deuce – 1ª Temporada

VIII. REVISÕES (aqui a classificação tem mais a ver com o novo impacto causado do que propriamente uma listagem dos melhores)

1- As Horas – The Hours – 2002 – EUA/RUN – Stephen Daldry
2- As Estátuas também morrem – Les statues meurent aussi – 1953 – FRA – Ghislain Cloquet, Chris Marker, Alain Resnais
3- Ernesto – 1979 – ITA – Salvatore Samperi
4- O Criado – The Servant – 1963 – EUA – Joseph Losey
5- Fireworks – 1947 – EUA – Kenneth Anger
6- Você não está Sozinho {You Are Not Alone} Du er ikke alene – 1978 – DIN – Ernst Johansen, Lasse Nielsen
7- Apocalypse Now – 1979 – EUA – Francis Ford Coppola
8- Onda Nova – 1984 – BRA – Zé Antônio Garcia, Ícaro Martins
9- Not Angels But Angels – 1994 – RTC/FRA – Wiktor Grodecki
10- República dos Assassinos – 1979 – BRA – Miguel Faria Jr.
11- O Beijo da Mulher Aranha – Kiss of the Spider Woman – 1985 – BRA/EUA – Hector Babenco
12- António Um Dois Três – 2017 – BRA/POR – Leonardo Mouramateus
13- A Lira do Delírio – 1978 – BRA – Walter Lima Jr
14- Blow Up My Town – Saute ma ville – 1968 – BEL – Chantal Akerman
15- A Princesa e o Plebeu – Roman Holiday – 1953 – EUA – William Wyler
16- Tempestade de Ritmo – Stormy Weather – 1943 – EUA – Andrew L. Stone
17- The Attendant – 1993 – RUN – Isaac Julien
18- Guerra e Humanidade: Não há Amor Maior {The Human Condition I: No Greater Love} Ningen no jôken – 1959 – JAP – Masaki Kobayashi

IX. ÚLTIMA SESSÃO DE CINEMA (única em 2020)

Minha Mãe é uma Peça 3: O Filme {My Mom is a Character 3} 2019 – BRA – Susana Garcia

X. MEU FILME RS
Se eu não vou divulgar ele, quem vai né?curta feito em abril para um edital de quarentena

“Chega! Mais?” – 2020 – BRA – Mateus Nagime

Leave a comment

Filed under Cinema, kopfkino, Listas

Previsões Eleições EUA

Longa Jornada Noite Adentro hoje na apuração norte-americana. Essa é minha previsão. Provavelmente os resultados só serão conhecidos quarta de manhã e resultados finais durante a semana. Lá vem textão de estado a estado. Mas no fim fui moderado na moderaçào: mesmo com uma virada de Trump e ele indo melhor do que nas pesquisas… perde por 268-270. No senado, os democratas que atualmente estão em desvantagem (47×53), viram para 50×48 e as duas corridas na Geórgia vão para segundo turno em janeiro, cada uma indo para um partido: 51×49.

Spoiler: em 2004 no meu fotolog eu também apostei em Kerry 270×268 Bush e deu Bush 286-252 x Kerry…

Vamos lá como cheguei nos números e coisas para ficar atento.

15 estados votam azul desde 1992 e 13 deles deve dar uma vitória larga para Biden: California (55), Connecticut (7), Delaware (3), Havaí (4), Illinois (20), Maryland (10), Massachusets (11), Nova Jersey (14), Nova York (29), Oregon (7), Rhode Island (4), Vermont (3) e Washington (12). DC (3) com menos de 90% democrata é perigo! A vitória mais difícil foi em 1980 com 74,89%. Dai já tem 182 votos.

Maine é outro que vota democrata desde 1992 e enquanto a vantagem diminuiu, deve dar 3 dos 4 votos para Biden. Colorado (9)e Virginia (13) eram republicanos na Era Bush, mas desde então se consolidaram como democratas, assim como Novo México (5). New Hampshire (4), com exceção de 2000 vota sempre democrata. Biden chega a 216.

Minnesota (10) foi o único estado a votar democrata em 1984 (lembre-se, DC não é estado e os democratas querem transformá-lo em estado, assim como Porto Rico, mas ai é outa história) e portanto tem a maior streak democrata, desde 1976. Trump quase virou em 2016, mas em 2020 ele tá mais distante. Mesma coisa de Nevada (6), outro estado Bushiano que Obama conseguiu manter como azul em 2016 e deve votar em Biden. Todos olhos vão para Michigan (16) e Wisconsin (10), anteriomente considerados seguros para o PD, mas que Trump levou e devem votar no Biden. Daí chegamos a 258. Segura o número.

No lado republicano, Trump deve levar com grande folga Nebraska (4), Arkansas (6), Louisiana (8), Tennessee (11), Alabama (9), Idaho (4), Kentucky (8), Dakota do Norte (3) e do Sul (3), Oklahoma (7), Virgina Ocidental (5) e Wyoming (3): 71 votos. Indiana (11) que votou em Obama em 2008 mas voltou para controle republicano em 2012 e Mississippi (6) também devem ir com folga para Trump: 88. Não espere resultado apertado, mas estou curioso pela diferença de Trump para Biden em Kansas (6) e Utah (6). O maximo que um democrata conseguiu desde 1972 em Utah foi Obama com 34.41. em 1968, Hubert Humphey levou 37.07; Biden aparece perdendo por 41,7×55,7. Em Kansas, se Biden fizer mais do que 41,65 de Obama em 2008 vai ser muito e ele está com 45,7% na pesquisas.

Já com 100 votos, Trump tem folga também em: Montana (3), onde a vantagem tem diminuído e Clinton levou em 1992, Carolina do Sul (9) que vota republicano desde 1980, Missouri (10), onde Clinton venceu duas vezes e Obama quase levou em 2008 e Alaska (3). Alaska é um dos quatro únicos estados fora da Muralha Azul em que Donald Trump teve forte queda em relação a Mitt Romney. Joe Biden pode fazer a melhor campanha democrata desde 2008 e talvez o aquecimento global e políticas de petróleo podem transformar o Alasca em um estado decisivo e muito vai depender desta eleição. Lembrando que para os moradores é bom que o estado seja competitivo, já que traz atenção nacional e dos políticos para os problemas locais.

Bem, daí Trump tem 125 votos. 13 estados são considerados competitivos este ano, entre eles New Hampshire, Maine, Minnesota, Michigan e Wisconsin que já falamos. O único estado em que Trump deve levar com certa folga ainda é Texas (38). As pesquisas apontam vitórias apertadas (50,2×48,9), mas Tump deve chegar aos 163 votos. E lembre-se, Biden tá com 258. 

Ohio e Iowa são autênticos swing states, que mudam os votos durante os anos. Iowa com 6 votos não parece influenciar tanto, mas…  Ohio com seus 18 votos tem a tendência de apontar o rumo da nação e desde 1964 quem vence lá ocupa a Casa Branca. Trump venceu com folga em 2016 e pesquisas sempre mostraram empate ou indecisão, mas em geral favorecendo os republicanos. Mais 24 pra conta de Trump: 187×258.

Georgia (16) e Florida (29) são estados vizinhos sulistas. Georgia vota republicano desde 1996 e Florida caminha com o vencedor nacional desde 1996. Georgia pode ter a melhor votação para um democrata desde Jimmy Carter – que é de lá – em 1980.  Biden liderou brevemente e Trump nunca decolou, mas acho que ainda leva. Biden SEMPRE liderou Florida, e chega com 50,8×48,5 MAS acho que Trump leva aqui também, talvez por muito pouco, coisa de 48,85×48,84 de Bush v. Gore em 2000. Daí Trump vai para 232 e Biden fica em 258. Se Biden vencer Ohio, Florida ou Georgia e aqueles acima em que é claramente favorito, fecha a conta.

Carolina do Norte (15) tinha uma vantagem de 3 pontos para Biden, mas últimas pesquisas o colocam 2 pontos a frente. Nos últimos 40 anos só Obama venceu em 2008 e perdeu em 2012. As pesquisas ou dizem empate ou levemente democrata, mas eu aposto em Trump aqui que chega a 247. De novo, vencendo aqui, Biden fecha a conta.

Daí, chegamos na Pensilvania (20), que votou democrata entre 1992-2016, e onde Hilary Cliton sentia-se segura… com 5 pontos nas pesquisas. Biden também tem vantagem de 5 pontos, e chegou a 7 duas semanas atrás. Todos números e pesquisas botam Biden e Biden vencendo aqui praticamente assegura a vitória, mas meu instinto aponta para vitória de Trump, que chega a 267 pontos e vira diante de Biden com 258. Lembando que os votos pelo correio vão demorar a ser contados, então Trump pode ter uma liderança pequena na noite de terça / manhã de quarta e sofrer virada enquanto votos por correios chegam e são contados. E claro… acionar a justiça. 

Daí falta só Arizona (11), que vota republicano desde 1952, com exceção de Bill Clinton em 1992, com 46,52%, contra 44,29% de Bob Dole e 7,98% de Ross Perot. Lyndon Johnson conseguiu 49,45% em 1964, perdendo por menos de 5 mil votos. Mas estranhamente, pesquisas apontam que Joe Biden pode ser o primeiro democrata desde Henry Truman a ter mais de 50% de votos no estado e levar. Aposto que Biden vence e chegue a 269 votos, contra 267 de Trump. Mas pera, não precisa de 270?

É que Nebraska e Maine dão 2 votos para o vencedor estadual e um voto por vencedor distrital. Maine é principalmente democrata e Nebraska republicana, com exceção do 2º distrito de ambos. Trump rompeu vitórias democratas no segundo distrito de MAine em 2016 com 51×41. Pesquisas apontam leve vantagem de Biden, mas… vou de Trump aqui que chega a 268×269 :O

Daí aproveito para responder: E se der empate? A Presidente Selina em “Veep” (série genial, aliás), vítima de empate, reclama de não terem criado um número ímpar de delegados. Dando empate, a Câmara de Deputados escolhe o Presidente e o Senado escolhe o Vice. 

Enquanto os democratas tem uma larga vantagem e deve continuar a ter na Câmara dos Deputados, cada estado tem um voto, e aí os republicanos passam a ter pequena vantagem, mas claro vai depender do Congresso eleito hoje.

No Senado, vantagem republicana de 53 a 47 deve cair. 12 cadeiras democratas estão em jogo e os republicanos devem virar no Alabama. Por outro lado, 23 cadeiras republicanas estão em jogo, com 7 delas seriamente disputadas: democratas são favoritos para virar em Arizona, Colorado, Maine e Carolina do Norte. Assim, os democratas ganham 3 (50×50) e outras 3 estão indefinidas. No Iowa, o candidato democrata é levemente favorito a tomar a vaga do republicano, mas provavelmente o resultado será bem próximo ao resultado presidencial. Aposto em vitória republicana. 

Daí as duas cadeiras restantes são na Geórgia. Uma delas apresenta leve vitória do candidato republicano de 49,3% contra 49%, mas se nenhum candidato chegar a 50% há segundo turno em janeiro. Mesma coisa na outra, corrida especial para repor a vaga de um político aposentado, em que há mais de um candidato republicano e democrata. Provavelmente nenhum chega a 50% mas o candidato democrata que passar é considerado favorito. Novamente, os resultados na eleição presidencial da Georgia terão efeitos aqui. 

Enfim, aposto que democratas tenham 50 cadeiras e republicanos 48 e cada um vença mais uma na Georgia em janeiro (51×49). Agora e se der 269×269 para Presidente e 50×50 no Senado, quem é o vice? não sei…

Mas voltando para nossa simulação presidencial… no voto que faltava, segundo distrito de NEbraska, onde fica Omaha… pesquisas aponta vantagem de 4,5 pontos para Biden e acho que leva, fechando em 270×268.

Exatamente mesmo placar que apostei no eu fotolog em 2004, e  Bush venceu por 286-252  cuidado… https://web.archive.org/web/20041130094214/http://www.fotolog.net/nagime/?photo_id=8525314

Leave a comment

Filed under Uncategorized

#Desafio REF @dia9- “A Flor do Pântano” (“Tammy and the Bachelor”, 1957, Joseph Pevney)

Demorou, mas chegou: primeiro filme bem bobo do livro, “A Flor do Pântano” é um filme bem esquecível e total veículo para Debbie Reynolds, interpretando uma menina do interior com 17 anos e sonhos de grandeza, de conhecer o mundo, mas ainda ligada a seus valores familiares. Rubens admite que a fita é ingênua e uma “sessão da tarde de antigamente”, e justifica sua seleção pela presença de Debbie. Por mais que eu adore ela e ela disparada é a melhor coisa do filme (Leslie Nielsen, décadas antes do sucesso em Corra que a polícia vem ai, é meio canastrão, mas não estraga), não vejo muitos méritos no filme. Mas convenhamos que é menos irritante que atentando aos astros de “Cantando na Chuva” é menos irritante que a série “E a mula falou”, estrelada pelo Donald O’Connor/. De qualquer maneira como eu digo ao D., é um filme que eu nunca veria, provavelmente, se não fosse pelo livro do Rubens… mas como diria Ariana Grande, thank you, next!

Leave a comment

Filed under Cinema, Críticas

#DesafioREF @dia8- “Feios, Sujos e Malvados” (Ettore Scola, 1976)

Que filme! Rubens Ewald Filho aponta que “Scola considera os favelados como colonizados, só que defende a tese de que o corrompido nunca é culpado. O responsável é sempre corruptor, ou seja, sociedade”.

Concordo quando ele diz que “coloca os personagens da forma mais humana posívelm, retratando-os sem vergonha ou condescência”. Os sentimentos, emoções, atitudes e ações de muitas personagens são naturalmente universais, reconhecíveis em várias pessoas. É um filme que apesar do visual claustrofóbico, sujo e pesado, é antes de tudo um filme humano.

O elenco está numa sintonia impressionnante. Fica a sensação, óbvia de que alguns personagens poderiam ter sido mais explorados, que alguns atores não foram tão bem aproveitados… mas num filme tão plural, que poderia se abrir para uma série ou grande épico não pode-se esperar outra coisa.

Nino Manfredi é um protagonista fenomenal, o último sobrevivente da fase de ouro da comédia italiana, neste filme com uma dignidade impressionante (“com ressonância de tragédia shakespereana”, diz REF) que apesar de todos as ações seu Giacinto ainda é alguém humano, com um olhar assustador pois podemos o reconhecer em pessoas próximas a nós.

Assim, percebemos naturalmente que nós também somos, obviamente um personagem daquela casa em que vivem mais de vinte pessoas de quatro gerações de uma família (importante ressaltar aqui o achado final maravilhoso!), e daria um ótimo teste de buzzfeed saber qual. Luciano Pagliuca tem um certo físico típico de um Ninetto Davoli, pensei que fosse um ator regular de Pasolini, e me surpreende que ele não tenha feito nenhuma outra película.

Franco Merli, famoso por Saló, exibido também em 1976 é marcante também como o filho que se prostitui vestido de mulher, mas se aproveita da cunhada. Inclusive, essa personagem é a maior exemplificação do sentimento de comunidade que une a favela, em que não existem muitos julgamentos – ou se eles existem, são privados e o sentido de união e apoio aos próximos é maior do que tudo. Maria Luisa Santella é outro destaque e tem a primeira participação de maneira impressionante, em um momento de contemplação típico de um cinema de Antonioni, que Scola tenta nos mostrar não acontece apenas na alta classe. Todos sonhamos, sentimos, e pensamos na vida, no passado, no futuro.

Algumas cenas ou passagens marcantes: a Basílica de São Pedro ao fundo, o Vaticano e toda pompa e história tão perto e tão longe; as crianças, sem nenhuma ajuda governamental ou algo assim brincando num playground trancado enquanto os adultos seguem a vida; a mãe do protagonista, uma velhinha responsável pela pensão que sustenta a casa passando o dia na RAI, vendo filmes e aprendendo inglês; a RAI que vai filmar alguma matéria de “importância social” na favela; o treino do coro; os “banquetes” na casa de praia e no bar da favela, etc.

Leave a comment

Filed under Cinema, cinemas

#DesafioREF @Dia7- “Fantasma do Paraíso” (Brian de Palma, 1974)

Que filme sensacional, minha gente!! Tem um Q de Hitchock nas referências a Psicose e a O Homem que Sabia Demai, mas um espírito bem próprio que como Rubens comenta em seu texto é um pouco parecido com Tommy, mas melhor. 

A história é bem louca, sendo impossível prever o que acontecer e conta com cenas memoráveis. Em algum momento acho que se perde um pouco, talvez com tantas referências e questòes apresentadas que nem sempre se formam de forma mais coesa. Mas ainda assim tem um visual espetacular e músicas cativantes e é um filme forte. 

AS músicas são incríveis, em especial a primeira, “Faust”, bem linda. Abaixo a versão sintetizada que lembra bastante Daft Punk e não por acaso, o compositor e autor Paul Williams é um dos colaboradores da banda francesa:

Um filme memorável sobre o poder da criação e influência artística, que ainda toca em temas do envelhecimento e memória – uma quase gag interessante faz referência a um “Arquivo Swan” que a figura interessante do empresário musical (PAul Williams) parece gerir. 

O filme deve ser espetacular de ser visto no cinema. Rubens Ewald Filho diz ter sido um dos “primeiros filme cults de verdade no Brasil”. O elenco é espetacular, em especial Williams. William Finley, um frequente colaborador de Brian De Palma também está ótimo, além da figura andrógina de Gerrit Graham e Jessica Harper, a protagonista de Suspiria

Leave a comment

Filed under Uncategorized

#DesafioREF @Dia6- “O Estranho Caminho de São Tiago ou A Via Láctea” (La voie Lactée, 1969, Luis Buñuel)

Foi sem dúvida o filme mais difícil que assisti neste desafio e já vi um pouco cansado. Não tem como insistir e apenas de curtir o filme, e quem sabe, revisitá-lo em outro momento. Nem tenho muito o que falar também.

De qualquer maneira, é um filme delicioso, divertido, por mais que não faça muito sentido a princípio. O filme é uma coleção de momentos de heresia da igreja e várias sequências são geniais e tem diálogos super ferozes. Rubens Ewald Filho fala que é ö filme de um jovem contestador que faz brincadeiras à la Godard”e realmente algumas coisas do filme lembram Weekend do ano anterior. Um filme para ver ou rever e que pode ser curtido sem muita preocupação ou ser analisado em detalhes a cada sequência.

Leave a comment

Filed under Cinema, cinemas